juarezjornalista

Juiz disse na sentença que crime foi premeditado pelos dois irmãos e cometido por vingança. Vítima perdeu três dedos na explosão.

d0509Os policiais federais aposentados Ovídio e Valdinho Rodrigues Chaveiro foram condenados nesta sexta-feira (31) a 11 anos e 9 meses de prisão cada um por enviar um pacote com bomba ao advogado Walmir Oliveira da Cunha, de 37, em Goiânia. O crime aconteceu após a vítima atuar em uma ação e foi desfavorável a um dos réus. Com explosão, Walmir perdeu três dedos da mão.

O G1 entrou em contato com o advogado de defesa dos réus, que são irmãos, por telefone às 18h, mas as ligações não foram atendidas.

Já a vítima comemorou o resultado. “Recebo essa sentença no mesmo horário aproximado que eu recebi a bomba. Então recebo como uma renovação da esperança. Que essa punição sirva de desestímulo para qualquer um que pense em cometer um atentado contra qualquer tipo de profissional”, disse.

Na sentença, o juiz Lourival Machado da Costa destacou que Valdinho premeditou o crime após “decisão judicial que determinou que a neta do réu ficaria sob a guarda do pai, sendo que este havia constituído a vítima como seu advogado”.

Diante disso, o réu “buscou causar sofrimento extremo para a vítima. A conduta foi praticada por vingança e com a certeza da impunidade”, segue argumentando o juiz na sentença.

O julgamento começou na manhã de quinta-feira (30) e só terminou por volta de 17h desta sexta.

O atentado aconteceu no dia 15 de julho de 2016, quando o Walmir recebeu um pacote de uma bebida em seu escritório, mas o conteúdo explodiu assim que foi aberto. Um segurança que trabalhava em um estabelecimento próximo ao local socorreu o advogado. A vítima perdeu três dedos e quebrou o pé por causa da explosão. Os acusados foram presos meses após o crime

  Walmir explicou que o crime ocorreu por conta de um processo no qual representou um homem no processo de guarda do filho e ganhou a causa. A criança é neta de Valdinho, que ficou insatisfeito e planejou a entrega da bomba, executada por seu irmão, Ovídio. O pacote foi entregue a um motoboy, o qual ficou comprovado agir sem saber do caso e, por isso, não foi responsabilizado.

O advogado conta que até hoje, dois anos após o crime, ainda faz sessões de fisioterapia. Ele diz que demorou a se readaptar, mas que em momento algum pensou em parar de seguir na profissão.

"Em 90 dia eu comecei a fazer a fisioterapia, mas só me readequei à minha nova condição uns seis meses depois. Foi quando voltei a caminhar, pois tive uma fratura no pé. Nesse período, contratei um digitador para fazer minhas petições. Não é só um crime contra um advogado, mas sim conta todo o estado democrático de direito", destaca.

O presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB, Davi da Costa Júnior, viajou a Goiânia especialmente para acompanhar o julgamento.

"Acompanhamos o caso desde o dia do fato. O interesse da OAB é a elucidação para que outros casos não voltem a acontecer porque a advocacia não pode ser afrontada dessa forma", avalia.

Câmeras de segurança flagraram a movimentação de um homem que entregou o pacote para um motoboy, que o levou até o advogado. Segundo as investigações, o motoboy não tinha consciência do atentado e foi por meio do depoimento dele que a corporação chegou até o local e às imagens.

Através das gravações, a Polícia Civil chegou até os irmãos, que foram presos em dezembro de 2016. De acordo com as investigações, o crime foi cometido por vingança, já que o advogado ganhou uma ação que causou revolta nos investigados. Ovídio, então, entregou a bomba para que um motoboy levasse ao escritório da vítima.

Após a prisão dos suspeitos, a vítima falou sobre as ameaças que recebeu enquanto atuou na ação familiar. “Percebi que esse seria o desfecho quanto a autoria desse atentado, sobretudo diante da forma que essas partes [suspeitos] se comportaram durante a tramitação da ação, de maneira muito intimidadora, com ameaças veladas, com ameaças inclusive a autoridade judicial. Eles devem receber as punições previstas em lei, pois ali foi um crime hediondo”, disse Walmir.

A Polícia Civil divulgou laudos periciais que, segundo a corporação, comprovam que Ovídio foi o responsável por enviar a bomba ao advogado. O relatório foi feito com bases em imagens de câmeras de segurança que mostram um homem entregando o pacote ao motoboy. No entanto, a advogada de defesa do suspeito, Débora Rassi, contesta o laudo da polícia. 

Fonte: G1

Comentar

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    ricardo    EAD  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web