WhatsApp Image 2021 12 08 at 13.52.38

Filhos de El Chapo proíbem produção de fentanil no norte do México

https://veja.abril.com.br/wp-content/uploads/2023/10/WhatsApp-Image-2023-10-04-at-11.48.11-e1696430919650.jpeg?quality=90&strip=info&w=510&h=345&crop=1 A facção criminosa comandada pelos filhos do ex-traficante mexicano Joaquin “El Chapo” Guzman proibiu a produção e venda de fentanil na região de Sinaloa, no norte do México. A informação foi divulgada na terça-feira 3 por meio de faixas à beira das estradas, mas analistas duvidam que o grupo abandone um negócio tão lucrativo.

As faixas são conhecidas como “narcomantas” e são assinadas por “Los Chapitos“, ou “pequenos Chapos”, um grupo de irmãos que assumiram o império criminoso de seu pai quando Guzmán foi extraditado para os Estados Unidos, em 2017. Embora não esteja claro quem colocou as mensagens, elas apareceram em um momento em que o México enfrenta pressão internacional para combater grupos criminosos envolvidos na produção de fentanil.

“A venda, fabricação, transporte ou qualquer tipo de negócio envolvendo a substância conhecida como fentanil é estritamente proibida em Sinaloa”, diziam as faixas.

+ EUA contratam Quico, de ‘Chaves’, para campanha contra imigração ilegal

O governo de Washington, neste ano, afirmou que Los Chapitos são os principais fornecedores de fentanil para os Estados Unidos. No mês passado, Ovidio Guzmán, o mais novo dos quatro irmãos, foi extraditado para território americano.

Continua após a publicidade

Leo Silva, um ex-agente da Administração Antidrogas dos Estados Unidos (DEA) que trabalhou no México, disse que as faixas eram provavelmente uma tentativa de Los Chapitos de se livrar da culpa pela produção de fentanil.

“Juntamente com a extradição de um dos irmãos, é uma estratégia para aliviar a pressão sobre eles”, disse Silva. “Não os vejo parando a produção.”

Em julho, investigadores de Sinaloa informaram que Los Chapitos haviam dito aos produtores de Culiacán, a capital do estado, para pararem de fabricar fentanil. Pouco depois, foram descobertos corpos de homens torturados e cobertos de comprimidos da droga, num aparente sinal para outros produtores.

Continua após a publicidade

+ Telhado de igreja desaba durante missa no México

Entretanto, analistas não estão convencidos de que Los Chapitos consigam se manter longe dos negócios com fentanil.

Além disso, também não ficou claro se o grupo conseguiria decretar tal proibição em Sinaloa. Grande parte do território é controlado pelo antigo parceiro de El Chapo, Ismael “El Mayo” Zambada, que dirige outro poderoso cartel, e não fez parte da proibição da produção e distribuição da droga.

Fonte: https://veja.abril.com.br/mundo/filhos-de-el-chapo-proibem-producao-de-fentanil-no-norte-do-mexico/

Bandidos tentam lançar drogas em presídio através de drone

https://cdn.reportermt.com/storage/webdisco/2023/09/17/800x600/d73987231c2bc85621daad103533e3c3.jpg Policiais penais abateram um drone com droga que sobrevoava a Penitenciária Major Elder de Sá, conhecida por Mata Grande, em Rondonópolis (216 km de Cuiabá), neste sábado (16). 

O drone sobrevoava o Raio III da penitenciária, quando foi visualizado pelos policiais penais que estavam na torre de monitoramento. Logo que viram o objeto, os policiais adentraram a área externa do raio e conseguiram derrubar o equipamento. 

Com a derrubada do drone, os policiais encontraram meio tablete de maconha e impediram a entrada do entorpecente na unidade penitenciária. 

A droga e o drone foram encaminhados à Delegacia de Polícia que deverá investigar o caso. 

Fonte:https://www.reportermt.com/policia/bandidos-tentam-lancar-drogas-em-presidio-atraves-de-drone/196282

Gaeco pega líderes de bando que comanda tráfico e roubos na fronteira com a Bolívi

1 O Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) deflagrou manhã desta quinta-feira (17), a Operação “Falsus Speculator”, para cumprimento de mais de 50 ordens judiciais contra uma quadrilha responsável por vários crimes na região da fronteira com a Bolívia, em Mato Grosso. A ação contou com apoio da Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Penal e Sistema Socioeducativo.

De acordo com o Gaeco, a ação tem como objetivo desarticular organização criminosa voltada para a prática de tráfico de drogas, lavagem de dinheiro, roubos, furtos, posse e porte ilegal de arma de fogo na região de fronteira, com ramificações em outras cidades de MT.

São 12 mandados de prisão preventiva, 12 mandados de busca e apreensão, 21 bloqueios de bens e valores e 6 sequestros de veículos, nas cidades de Cuiabá, Mirassol D’Oeste, São José dos Quatro Marcos e Reserva do Cabaçal. As ordens judiciais foram expedidas pelo Juízo da 4ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres.

Entre os alvos dos mandados estão dois dos líderes da organização criminosa que controlavam a prática de crimes diversos na região de fronteira, especialmente as ações relacionadas à lavagem de dinheiro.

Durante as investigações foi constatado que, entre os anos de 2018 a 2022, o grupo criminoso movimentou mais de R$ 25 milhões, oriundos da prática de crimes.

Para o cumprimento das medidas, a operação conta com apoio de equipes do Gaeco do Estado, da Delegacia Especial de Fronteira, da Delegacia Regional de Cáceres, Delegacia de Mirassol D’Oeste, 6º Comando Regional da Polícia Militar, 23ª Cia de Força Tática, 17ª Batalhão da Polícia Militar de Mirassol D’Oeste, Batalhão da Rotam em Cuiabá, Ciopaer e Canil Integrado de Fronteira.

O nome da operação, “Falsus Speculator”, tem origem no Latin, e significa “Falso Vigia”, em referência ao cargo de vigilante ocupado pelo líder do grupo criminoso, que é servidor público municipal e cujo salário destoava completamente dos valores movimentados em suas contas bancárias.

Fonte: https://www.reportermt.com/policia/gaeco-pega-lideres-de-bando-que-comanda-trafico-e-roubos-na-fronteira-com-a-bolivia/194844

PMs são suspeitos de se apossar de drogas e dinheiro de traficante em Fortaleza

Ao total, a Controladoria Geral de Disciplina abriu investigações administrativas contra 16 PMs, em portarias publicadas no Diário Oficial do Estado da última quinta-feira (10) Quatro policiais militares são suspeitos de se apossar de droga e de dinheiro de um homem preso por tráfico de drogas, em Fortaleza. A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário do Ceará (CGD) abriu investigação administrativa contra os PMs, quatro anos após a denúncia de extorsão.

Uma portaria da CGD, publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) da última quinta-feira (10), descreve que um homem "relatou ter sido preso, no dia 14/08/2019, por tráfico de drogas, e que no momento da ocorrência os Policiais Militares teriam ficado com parte das drogas e o dinheiro encontrados em sua residência, afirmando ainda o denunciante, que após ter sido solto com uso de tornozeleira, sempre é abordado pela mesma composição que continua exigindo dinheiro para não prendê-lo novamente".

O caso ocorreu no bairro Itaperi, em Fortaleza. Com o suspeito, a composição policial teria retido 390 gramas de crack, 30 gramas de maconha e 4 gramas de 'skunk' (tipo de maconha tido como mais forte).

Os policiais militares investigados na CGD são um sargento e três soldados. Os nomes dos servidores não serão publicados nesta matéria porque não há indiciamento nem houve flagrante contra eles.

Leia também

Na esfera criminal, os quatro PMs foram investigados por Inquérito Policial Militar (IPM), que foi concluído no dia 13 de dezembro de 2021 sem o indiciamento dos agentes de segurança, "haja vista não vislumbrar indícios de cometimento de crime militar ou transgressão disciplinar na conduta atribuída aos policiais militares".

Entretanto, o Ministério Público do Ceará (MPCE) pediu novas diligências ao Inquérito Policial Militar, inclusive que verificasse com a Controladoria Geral de Disciplina se havia procedimento disciplinar, ainda em junho de 2022. O processo judicial, que tramita na Auditoria Militar do Estado do Ceará, não tem movimento desde setembro do ano passado.

Outras investigações na CGD

A Controladoria Geral de Disciplina também abriu investigações administrativas contra outros 13 policiais militares, conforme portarias publicadas no Diário Oficial do Estado da última quinta-feira (10).

Quatro PMs são suspeitos de abuso de autoridade, invasão a domicílio e praticar agressões físicas e verbais contra um homem, no bairro Jardim das Oliveiras, em Fortaleza, em novembro de 2019.

Outra investigação administrativa foi aberta contra três PMs, por suspeita de agressão física a um adolescente, que tinha sido apreendido por suspeita de roubo e receptação, também na Capital, em setembro de 2021.

A CGD também instaurou Sindicância Administrativa contra três PMs, suspeitos de liberar um motorista que tinha sinais de dirigir um carro após utilizar bebidas alcoólicas, no bairro Montese, em Fortaleza.

Foram abertas ainda investigações contra um sargento PM, suspeito de ameaçar e cometer abusos psicológicos contra a sua ex-esposa e o seu filho, em Fortaleza, em outubro de 2021; um cabo PM é suspeito de atirar em via pública, no Município de Sobral, em março deste ano; e o soldado PM Miqueias do Amaral Barbosa, preso em flagrante no último domingo (6) após matar a companheira, no bairro Jangurussu, em Fortaleza.

Fonte: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/seguranca/pms-sao-suspeitos-de-se-apossar-de-drogas-e-dinheiro-de-traficante-em-fortaleza-1.3403805

PF descobre plano para libertar "intocável do pó" e traficante é transferido às pressas

1 A Polícia Federal precisou montar uma operação de grande porte às pressas, na tarde desta quarta-feira (2), para transferir um traficante conhecido como "intocável do pó", envolvendo Bope, Polícia Civil e Ciopaer. De acordo com a PF, a informação que chegou é que de 15 a 20 homens estariam fortemente armados para fazer o "resgate".

De acordo com informações preliminares, bandidos que estão sob comando do traficante, que seria membro do alto escalão do PCC, organizaram a operação de resgate, que a inteligência da Polícia Civil descobriu a tempo. A libertação seria feita no presídio de Mirassol D'Oeste, onde o preso estava temporariamente.

O traficante, cujo nome não foi divulgado, acreditava ser intocável e inalcançável pelas forças de Segurança Pública. De acordo com a Polícia Federal, ele se gabava desse fato, dizendo que "nem a PF poderia pegá-lo".

Como prova de que poderia, sim, prendê-lo, a operação levou o nome em sua homenagem: Operação Intocável.

A OPERAÇÃO

A PF deflagrou nesta quarta-feira (02) a Operação Intocável, com o objetivo de desarticular uma e organização criminosa especializada em tráfico de drogas e a lavagem de dinheiro em Mato Grosso.

Foram cumpridos em Mirassol d'Oeste (300 km de Cuiabá), Porto Esperidião (326 km de Cuiabá) e Sapezal (480 km de Cuiabá), treze mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão expedidos pela 4ª Vara Criminal de Cáceres/MT especializada em Organização Criminosa. Foram expedidas também ordem de sequestro de bens e valores dentre eles diversos bens móveis e imóveis, incluindo veículos, aeronaves, gado, fazenda e aeronaves pertencentes ao principal investigado da operação registrados em nome de terceiros e familiares.

Durante as investigações foi constatado que os integrantes da organização criminosa apresentavam um padrão financeiro totalmente incompatível com as rendas declaradas ostentando viagens de luxo, veículos de alto padrão.

A operação contou com o apoio do Batalhão de Operações Especiais (Bope/MT) e do 17º Batalhao de Polícia Militar de Mirassol D’Oeste-MT.

As investigações e investidas contra o narcotráfico continuam, com especial atenção à prisão das lideranças e descapitalização de organizações criminosas.

Fonte: https://www.reportermt.com/policia/pf-descobre-plano-para-libertar-intocavel-do-po-e-traficante-e-transferido-as-pressas/194187

Mais artigos...

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                  Saiba os benefícios de usar o LinkedIn para a sua vida profissional - IFS -  Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe 

blogimpakto  acervo       jornalismoinvestigativo      Capa do livro: Prova e o Ônus da Prova - No Direito Processual Constitucional Civil, no Direito do Consumidor, na Responsabilidade Médica, no Direito Empresarial e Direitos Reflexos, com apoio da Análise Econômica do Direito (AED) - 3ª Edição - Revista, Atualizada e Ampliada, João Carlos Adalberto Zolandeck   observadh

procurados

Desenvolvido por: ClauBarros Web