JORNALISTAMINI

Ex-fugitivo da Penitenciária de Maringá "se rende" por amor

n2405Amor nos dias de hoje - mais do que nunca - se prova com "entrega", no sentido mais literal da palavra. Um exemplo disso é o caso do ex-fugitivo da Penitenciária de Maringá (PEM), Jackson Silva Ribeiro, 29, que decidiu se entregar à Polícia três dias após se casar com a mulher de sua vida.


Em 2009, Ribeiro cometeu um latrocínio em Toledo e foi preso. Durante uma fuga de detentos da PEM em maio de 2017, ele e mais dois presos fugiram em plena luz do dia.

Depois da fuga, ele decidiu ir para Curitiba com a então namorada Fernanda Barbosa, 25. Os dois seguiram para a capital do Estado, onde o casal passou a ter uma vida comum: alugaram um imóvel, trabalhavam e passaram a frequentar uma comunidade evangélica.

Lá, o casal "conheceu a palavra de Deus" e decidiu se batizar na Igreja Quadrangular em dezembro de 2017 - um dos desejos de Fernanda. Mesmo com tudo indo bem, Jackson não se sentia em paz em relação aos erros cometidos e sabia que podia ser pego a qualquer momento.

Ele "pediu a Deus" uma orientação e sentiu em seu coração que deveria se entregar, para viver uma vida plena de paz e amor ao lado de Fernanda, com quem sonhava em se casar. Ele contou à namorada que queria se entregar, e ela concordou, desde que o casamento acontecesse antes disso.

"Tínhamos uma vida muito comum e tranquila em Curitiba. Mas estávamos longe de nossas famílias e sempre apreensivos com a possível prisão dele. Não estávamos totalmente em paz e felizes. Queríamos construir nossa família, mas de acordo com a vontade de Deus", explica Fernanda.

O pedido dela foi atendido. Os dois saíram de Curitiba para realizar o "sonho da noiva". Na última sexta-feira (18), o casal se casou no civil e disseram o tão esperado "sim", com direito a troca de alianças.

Casado, Ribeiro ligou para a PEM e explicou a situação para o diretor, que ficou a sua espera. Na segunda-feira (21), durante a "lua de mel", Jackson foi até à penitenciária acompanhado da esposa e da mãe. "Ele estava sereno e feliz. Se entregou de cabeça erguida e com sorriso no rosto, certo do que estava fazendo", relembra Fernanda.

O advogado de Ribeiro pediu uma autorização judicial para que ele cumpra a pena na PEM, onde de acordo com Fernanda, há inúmeros trabalhos desenvolvidos por detentos para diminuir as penas. "Tudo vai depender da conduta dele, mas estamos tranquilos. Ele vai se esforçar ao máximo", garante.

"Trouxemos declarações dos ex-patrões dele, a certidão de batismo da igreja e os documentos de locação do imóvel, para comprovar que ele já vem se ressocializando há um bom tempo. O diretor disse que tudo será usado em favor dele. Entregamos nas mãos de Deus e estamos deixando Ele trabalhar agora", diz a esposa do ex-fugitivo.

Para ela, que enfrentou muito preconceito por sua escolha, a decisão do marido é motivo de orgulho. "Todos nós erramos e temos o direito de nos redimir. Tenho certeza de que Deus já o perdoou e agora ele precisa pagar aqui na terra, para seguir em frente sem dever nada aos homens também. Meu coração está aliviado e independente da opinião alheia, vamos seguir juntos", enfatiza.

"Espero que a história dele sirva de exemplo para outros que estão no caminho errado. Que mais pessoas percebam que é possível se arrepender e corrigir os erros. Estamos aqui para pagar pelo que fazemos. Isso não é vergonha. Antes todos tivessem a mesma atitude dele, decidindo se entregar e recomeçar a vida no caminho de Deus", conclui Fernanda Barbosa Ribeiro, "orgulhosa" do marido.


ENFIM, CASADOS. Jackson Silva Ribeiro e Fernanda Barbosa Ribeiro comemoram o tão esperado "sim". O casal se casou no civil, com direito a vestido, terno e troca de alianças entre os noivos. — ANDRÉ ALMENARA


ENTREGA. Jackson se despede da esposa Fernanda, antes de se entregar aos agentes penitenciários da PEM. — ANDRÉ ALMENARA 

Fonte: odiario

Comentar

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    IMG 20170821 WA0024  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web