juarezjornalista

Operação Santa Clara - Balanço‏

op.sta.claraCuritiba/PR - A Polícia Federal informa abaixo o balanço da operação Santa Clara, deflagrada na manhã de 11/06: 

- Todos os 15 Mandados Judiciais foram cumpridos;

- Um homem foi preso em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e foi liberado mediante pagamento de fiança;

- Ao longo da investigação, foram apreendidos diversos documentos, inclusive documentos falsos, além de caminhões e aproximadamente 100 toneladas de carvão. 

- No dia da operação foram apreendidos inúmeros documentos, além de HDs, pen drives e agendas; 

 

- Estima-se que a área desmatada anualmente era equivalente a 30 campos de futebol. 

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Paraná

Curitiba, 12 de junho de 2015.

Tels. (41) 3251-7810 / 3251-7809

PF convoca 300 policiais para desarticular esquema milionário de tráfico drogas em cinco Estados

op.ferrari1Londrina/PR – A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje, (15/06), a Operação FERRARI para desarticular cinco núcleos de organização criminosa que tinha como finalidade o tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro em cinco estados da Federação.

A operação contou com a participação de 300 policiais federais e 28 servidores da Receita Federal do Brasil, que deram cumprimento a 49 mandados judiciais, sendo 20 mandados de prisão preventiva, 22 mandados de busca e apreensão e sete mandados de condução coercitiva, em 15 cidades dos seguintes Estados: Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Bahia e Sergipe.

De acordo com as informações fornecidas pela Receita Federal do Brasil, que participou em conjunto com a PF, a análise minuciosa de documentos de dados fiscais e bancários, possibilitou descobrir um complexo esquema de lavagem de dinheiro.

Até o presente momento da investigação o patrimônio avaliado da organização criminosa ultrapassa os 40 milhões de reais.

Leia também: POLÍCIA FEDERAL - BALANÇO OPERAÇÃO FERRARI‏

O nome da operação é em alusão ao estilo de vida luxuoso que os criminosos mantinham possuindo casas em condomínios horizontais

de alto padrão na cidade de Londrina/PR, empresas para lavagem de dinheiro, automóveis importados e embarcações de luxo, tudo fruto do tráfico internacional de drogas, além de ser o nome de um dos estabelecimentos empresariais mantidos pela organização criminosa.

São cumpridos também o sequestro de 20 imóveis, bloqueio de numerários em 30 contas correntes e apreensão de mais de 100 veículos adquiridos por meio de práticas criminosas.

Todos os presos serão conduzidos à cidade de Curitiba-PR.

Cumprimento dos mandados:

Legenda –

MPP – mandado de prisão preventiva;

MBA – mandado de busca e apreensão e

MCC – mandado de condução coercitiva.

Paraná – 

Londrina = sete MPP, quatro MCC e cinco MBA; 

Cambé = um MPP e dois MBA;

Arapongas = um MCC e um MBA;

São Jerônimo da Serra = um MBA;

Porecatu = um MBA.

São Paulo – 

Osasco – um MPP e um MBA;

Indaiatuba – dois MPP, um MCC e quatro MBA;

Hortolância – um MPP e dois MBA;

Salto – um MBA;

Sumaré – um MCC;

Araçoiaba da Serra – dois MBA e em 

Campinas – dois MPP.

Mato Grosso do Sul – 

Mundo Novo – dois MPP e um MBA.

Bahia – 

Salvador – três MPP e um MBA

Sergipe – 

Aquidaban – um MPP

Será concedida entrevista coletiva às 10h00 no auditório da Delegacia de Polícia Federal em Londrina, situada na Rua Tietê 1450,  Vila Nova Londrina – PR. Telefone: (43) 3294-7204 e 7205

Comunicação Social da Polícia Federal no Paraná

Londrina-PR, 15 de junho de 2015

Telefones: (43) 3294-7204

POLÍCIA FEDERAL - BALANÇO OPERAÇÃO FERRARI‏

op.ferrari

Leia também: PF convoca 300 policiais para desarticular esquema milionário de tráfico drogas em cinco Estados

Londrina/PR – A Polícia Federal divulga balanço da Operação FERRARI, deflagrada na manhã de hoje, (15/06):

De todos os mandados judiciais descritos no release, divulgado pela manhã, apenas quatro não foram cumpridos:

- dois na cidade de Mundo Novo-MS;

- um na cidade de Salvador-BA e

- um na cidade de Indaiatuba -SP.

- foram apreendidos R$ 634 mil em dinheiro;

- foram apreendidos R$ 460 mil em cheques;

- 42 veículos de luxo e dois reboques;

- 27 caminhões;

- duas motos importadas de luxo;

- 37 celulares;

- uma arma de fogo;

- 91 relógios e joias.

Comunicação Social da Polícia Federal no Paraná

Curitiba, 15 dejunho de2015

Tel. (41)3251-7813

PF em conjunto com o IBAMA deflagram operação de proteção ambiental‏

OPERAO SANTA CLARA

A operação contou com a participação de aproximadamente 40 Policiais Federais e 20 agentes do IBAMA para darem cumprimento a 15 mandados judiciais, sendo 10 mandados de condução coercitiva e cinco mandados de busca e apreensão, nas cidades citadas acima, além de Joinville, em Santa Catarina.

As investigações mostraram que as árvores eram arrancadas da mata nativa da região de União da Vitória e transformadas em carvão. Os suspeitos burlavam as fiscalizações adquirindo documentos falsos, simulando a origem do carvão como se o produto fosse proveniente do Paraguai e transportavam o produto pelas rodovias.

Durante as investigações foram apreendidos diversos documentos falsos, além de caminhões e toneladas de carvão.

O nome da operação – “Santa Clara” - é em alusão a ser a protetora das plantas.

Comunicação Social da Polícia Federal no Paraná

(41) 3251-7809

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Por que Youssef assinou o atestado de óbito de José Janene?

Morte do ex-parlamentar é cercada de fatos suspeitos que serão investigados após a viúva dizer que não tem certeza se Janene está morto

A morte do deputado José Janene (PP), em 2010, vem provocando tumulto na CPI da Petrobras. Após a viúva do ex-parlamentar dizer que tem dúvidas sobre a morte do marido e o presidente da comissão, Hugo Motta (PMDB-PB), dizer que pedirá a exumação do cadáver, um novo fato aumenta a suspeita sobre o caso. O nome que consta como declarante na certidão de óbito de Janene é o do doleiro Alberto Youssef e não o de um familiar, como é comum.

Segundo uma reportagem da Folha, a informação de que o ex-deputado poderia estar vivo teria partido de sua viúva, Stael Fernanda, que teria dito que o caixão chegou lacrado e ninguém viu o corpo do marido. Horas depois do anúncio do pedido de exumação, Fernanda mudou o tom e disse que a proposta era “desrespeitosa” e “absurda”.

De acordo com a filha do falecido deputado, Danielle Janene, o doleiro é amigo da família de longa data e participou do reconhecimento do cadáver, ficando responsável pelos trâmites burocráticos. Danielle afirmou também que o velório foi feito com o caixão aberto e que os membros da CPI querem apenas “cinco minutos de fama”.

José Janene seria julgado pelo mensalão em 2012, mas morreu dois anos antes. De acordo com a delação premiada de Alberto Youssef, o ex-parlamentar também era um dos envolvidos nos casos de corrupção da Petrobras.

Amizade de longa data

Segundo informações de Stael Fernanda, Youssef passou a frequentar a casa da família Janene ainda em 2004 e foi convidado para ser padrinho do filho mais novo do casal. Fernanda disse não ter certeza de quando os dois iniciaram os “negócios”.

Um ex-funcionário do falecido deputado afirmou que os dois já se conheciam em 1996. No ano de 2003, um cheque de R$ 150 mil, no nome de Janene, foi encontrado na casa do doleiro, quando ele foi preso por envolvimento no caso do Banestado.

Fonte: http://opiniaoenoticia.com.br/

Mais artigos...

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    IMG 20170821 WA0024  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web