jornalista1

PRF prende suspeitos que viajavam com pistolas em fundo falso de carro

Trio, com idade entre 23 e 32 anos, seguiam de Foz do Iguaçu para o RJ.
Veículo foi abordado nesta segunda (22) em Santa Terezinha de Itaipu (PR).


apreensaoarmasTrês suspeitos com idade entre 23 e 32 anos foram presos transportando duas pistolas. O flagrante foi feito na tarde desta segunda-feira (22) no posto de fiscalização da
Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Santa Terezinha de Itaipu, no oeste do Paraná.

Durante a abordagem, os três se mostraram bastante nervosos, o que chamou a atenção dos agentes. Na vistoria, foram encontradas as pistolas, que estavam escondidas atrás do painel do automóvel. Aos agentes, o trio disse ter comprado as armas em Foz do Iguaçu e que as levariam para o Rio de Janeiro (RJ).

Os presos, o veículo e o armamento foram encaminhados à delegacia da Polícia Civil de Santa Terezinha de Itaipu.

Fonte: http://g1.globo.com/

Após reforma, Depen transfere presos e esvazia delegacia de Londrina

transfdepresosTrinta e oito presos foram transferidos nesta quarta-feira (10) da carceragem do 5º Distrito Policial de Londrina para a Penitenciária Estadual de Londrina, a PEL 2. Os detentos estão nas celas de uma área recém-estruturada da penitenciária.

A realocação dos presos será possível graças a um projeto desenvolvido em conjunto com a Vara de Execuções Penais em Londrina, através do juiz Katsujo Nakadomari, do Conselho Comunitário da cidade e da direção da PEL 2, comandada por Reginaldo Peixoto.

“Há algum tempo estabelecemos o início deste plano no qual reestruturaríamos uma área da PEL 2, que foi atingida pela rebelião e carecia de algumas reformas, alguns consertos especificamente na questão das grades e da recomposição das paredes e isso foi feito através dessa parceria. Diante disso, é possível transferirmos alguns presos para ocupar esse espaço e, conseqüentemente, esvaziarmos a unidade do 5º Distrito Policial”, explicou o diretor do Depen, Luiz Alberto Cartaxo Moura.

Ele explicou que o próximo objetivo é transferir também os detentos do 4º Distrito Policial e, posteriormente, a retirada de todos os presos das delegacias da cidade de Londrina.

“Isso é parte de uma política que temos para todo o estado do Paraná. Estamos fazendo um grande trabalho neste sentido e até ao final do Governo Beto Richa nós teremos a abertura de cerca de sete mil vagas que estarão disponíveis e que irão acabar com essa situação nas delegacias de polícia”, reforçou.

A transferência e o conseqüente esvaziamento da delegacia vai ao encontro do planejamento da Secretaria da Segurança Pública e do Departamento de Execuções Penitenciárias (Depen) e, por conseqüência, contempla os anseios da comunidade vizinha ao 5º DP.

“Esta ação demonstra o esforço do Departamento de Execução Penal, do Departamento da Polícia Civil e do Ministério Público, que estão empenhados para fazer a transferência dos presos de delegacias de todo o Paraná para o sistema prisional. Com essa transferência os policiais que auxiliavam na custódia de presos vão voltar a executar o trabalho da Polícia Judiciária”, afirmou o delegado da 10ª Subdivisão Policial (SDP) de Londrina, Sebastião Ramos dos Santos Neto.

OBRAS – A secretaria de Segurança Pública iniciou a implantação de uma série de construções e ampliações no sistema prisional do Paraná. São 14 obras que irão aumentar em 6.756 o número de vagas no sistema penitenciário de todo o Estado – totalizando mais de 25.000 vagas nos presídios paranaenses.

“Pela primeira vez um governador está encarando de frente o problema de presos em delegacias. Nesta quarta-feira conseguimos esvaziar a delegacia de Londrina e transferir todos os presos para a PEL 2. Mas a solução definitiva para este problema são as 14 obras de construção e ampliação de penitenciárias que já iniciaram. A previsão é de abertura de quase 7 mil novas vagas. Só assim, será possível retirar todos os presos das delegacias do Estado”, disse o secretário da Segurança Pública, Wagner Mesquita.

O cronograma estima para até 2018 a conclusão das obras em cadeias e penitenciárias de sete cidades paranaenses – sendo que 10 das 14 obras estarão prontas em 2017 restando quatro a serem inauguradas no ano seguinte.

De acordo com Mesquita, a iniciativa pretende desafogar o sistema carcerário criando um ambiente mais propício para a ressocialização dos condenados.

POLÍCIAS - Enquanto a Sesp dá andamento ao projeto de retirada de todos os presos das delegacias para o sistema prisional, o diretor do Depen, Luiz Alberto Cartaxo Moura, ressalta “a compreensão, ajuda e trabalho constante da equipe da segurança pública, que envolve a Polícia Civil, a Polícia Militar e o Depen. Todos contribuindo para que esse futuro chegue da forma mais célere possível”.

Fonte: http://www.seguranca.pr.gov.br/

Dupla usa caminhão e quebra muro de cadeia para tentar resgatar presos

Caso ocorreu na Delegacia de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.
Policiais perceberam a ação e impediram o resgate dos detentos

CAMINHAOMURODois homens usaram um caminhão caçamba para tentar resgatar presos da Delegacia de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, durante a madrugada desta sexta-feira (12). Segundo a Polícia Civil, a dupla deu marcha a ré no veículo e quebrou um muro que dá acesso às celas.

Os policiais que estavam de plantão perceberam a ação e dispararam vários tiros. Os homens fugiram e os presos não conseguiu fugir. Até as 6h40, duas pessoas suspeitas de ter cometido o ato tinham sido presas.

A Delegacia Civil de Pinhais está superlotada com 58 presos, sendo que a capacidade é para 12. O caminhão era roubado e foi apreendido.

Quer saber mais notícias do estado? Acesse o G1 Paraná.

Família de Londrina administrava rota do tráfico

12 suspeitos foram presos em três Estados durante operação da Polícia Federal

De acordo com o delegado Elvis Secco, a operação foi realizada em parceria com a polícia boliviana


elvissecco"Tinha padrasto, irmão, cunhado, sobrinho, a mulher sabia, a irmã sabia, a mãe sabia... A família toda sabia", ressaltou o delegado da Polícia Federal, Elvis Secco, responsável pela Operação Quijarro, realizada nas cidades de Londrina, Araucária (Região Metropolitana de Curitiba), Corumbá (MS), Martinópolis (SP), Presidente Prudente (SP) e São Paulo. Ao todo, 12 pessoas foram presas por suspeita de envolvimento no tráfico internacional de drogas, duas delas em Londrina, onde funcionava uma das bases para a quadrilha que distribuía cocaína da Bolívia (da cidade de Puerto Quijarro) para o Brasil e a Espanha. 
Ao todo, foram cumpridos 17 mandados de busca e apreensão em imóveis, 43 de busca e apreensão de veículos e sete de condução coercitiva. Segundo as investigações, dois grupos faziam o transporte das drogas no Brasil. As pessoas que recebiam orientação da família de Londrina levavam cocaína da cidade de Corumbá (MS), na fronteira com a Bolívia, até o estado de São Paulo. No entreposto criado em Vinhedo (SP), a droga era descarregada e distribuída para todo o País em vários outros veículos para despistar a fiscalização. O outro grupo, sediado em Martinópolis, entregava a droga no Porto de Santos. De lá, o produto seguia para a Espanha. "A droga que chegava na Espanha tinha o valor de US$ 15 mil o quilo. A apreensão feita em Corumbá foi avaliada em U$ 21 milhões", destacou. 
Em Londrina, foram presos o responsável pelo grupo transportador e outro integrante da quadrilha que organizava a distribuição e o transporte da droga. "A rede de parentes e amigos era utilizada para facilitar o registro de caminhões. Em um dos casos, um veículo de R$ 150 mil foi registrado em nome de um amigo com renda inferior a um salário mínimo", destacou. O grupo não possuía empresa jurídica e coordenava apenas os veículos. Conforme Elvis Secco, a Polícia Federal fez pedidos de prisão preventiva vinculados diretamente ao transporte de drogas. No entanto, outros integrantes devem ser presos em breve, incluindo membros da família que atuava em Londrina. 
O delegado informou ainda que investiga a participação de servidores públicos na falsificação de documentos de caminhões e carretas utilizados pela quadrilha. Os documentos eram transferidos para o nome dos próprios caminhoneiros, que tinham conhecimento do transporte das drogas. Com isso, o grupo não chamava a atenção das polícias rodoviárias durante o trajeto. "Eles tinham um sistema de fundos falsos muito sofisticado. Esse fundo falso era feito até com sistema hidráulico acionado por botões. Ficava em partes de metal na carreta e não se conseguia ver a olho nu. Muitas dessas apreensões foram passadas em raio-X para identificar onde estava a cocaína", contou o delegado. Os caminhoneiros que transportavam a droga também levavam cargas lícitas como minério para não despertar suspeitas. 
A operação foi realizada em parceria com a polícia boliviana. Por meio da troca de informações, foi detido o núcleo que atuava no país vizinho e era responsável pela entrada de duas toneladas de drogas por mês no Brasil. "Nós sabíamos o paradeiro dos traficantes aqui no Brasil. Eles já estavam foragidos da Bolívia. Nós informamos o paradeiro deles aqui, eles foram deportados e lá os policiais executaram as prisões. O casal estava entre os traficantes mais procurados da Bolívia", ressaltou o delegado. Cerca de 150 policiais participaram da ação. Pelo menos, US$ 10 milhões em bens foram sequestrados na Bolívia. 
A investigação, iniciada há um ano e meio, já resultou na apreensão de aproximadamente quatro toneladas de drogas. Duas pessoas são consideradas foragidas. Um mandado seria cumprido em São Paulo, capital, e outro em Presidente Prudente. A troca de informações no Brasil e no exterior tem contribuído para o aumento da fiscalização. "Antes, você apreendia somente a droga e as investigações não tinham seguimento. Com a ampliação das investigações, você consegue trocar informações. A PF está com uma rede de informação muito grande Brasil afora", completou o delegado. Os presos devem responder pelos crimes de tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro, associação para o tráfico e falsificação de documentos públicos e privados.

Viviani Costa
Reportagem Local

Jovem é morto ao tentar assaltar agente penitenciário, no ES

Yuri Mayler Alves Dias foi baleado na perna e disparo atingiu artéria femural.
Agente foi levado para a delegacia, ouvido e liberado.
agenteesUm jovem de 25 anos foi morto ao tentar assaltar um agente penitenciário por volta das 1h desta sexta-feira (29), no bairro Aribiri, em Vila Velha, no Espírito Santo.
De acordo com informações da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Yuri Mayler Alves Dias foi atingido na perna.
Ele teria abordado o agente penitenciário na Rua Ramiro Leal Reis, próximo a um campo de futebol, e anunciado o assalto, com a mão na cintura.
Armado, o agente sacou a pistola e atirau contra a perna do suspeito. O disparo atingiu a artéria femural do jovem.
Ele caiu no chão e o agente acionou o Ciodes pelo número 190. Quando a ambulância chegou ao local, Yuri já havia morrido.
Segundo informações da DHPP, o jovem baleado estava com um revólver calibre 22 na cintura, que foi encontrado durante o trabalho de perícia.
O agente penitenciário foi levado para a delegacia, onde prestou depoimento e foi liberado.
FONTE: G1

Mais artigos...

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                   

www.impactocarcerario.com.br

 

blogimpakto  acervo         jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web