jornalista1

Policiais do Rio são presos suspeitos de sequestrarem família em hotel de BH

Crime teria acontecido por causa de uma dívida milionária originada de um esquema de pirâmide financeira


Hotel Oito pessoas foram presas na madrugada deste domingo (25), entre elas três policiais militares do Rio de Janeiro, suspeitas de sequestrarem uma mulher de 26 anos e suas duas filhas, uma de cinco e outra de oito anos. O caso aconteceu dentro de um hotel no bairro São Cristóvão, região Noroeste de Belo Horizonte.


Segundo informações obtidas por O TEMPO, os acusados fizeram isso para tentar reaver um dinheiro perdido por meio de um esquema de pirâmide financeira. O suposto golpista, que tem 43 anos, seria o pai das crianças sequestradas.

Entenda

Durante a última semana, após ameaças de morte por conta de um golpe milionário, a família fugiu da capital do Rio e seguiu para *Belo Horizonte, onde se hospedou em um hotel às margens da avenida Antônio Carlos.
Na noite desse sábado (24), três supostos policiais cariocas, sendo um de 36 anos, um de 41 e outro de 42, um agente penitenciário de 42 anos, um técnico em mecânica de 48 anos, um autônomo de 55 anos, um representante comercial de 28 anos e um construtor de 36 anos chegaram ao local em dois carros, armados, e invadiram o estabelecimento*. Eles* raptaram a mulher e as duas filhas sob ameaças.

No momento, conforme informações, o pai da família não estava no hotel. Ao perceber a situação, ele acionou a Polícia Militar relatando que a esposa e as filhas foram sequestradas e estavam sendo levadas para o Rio de Janeiro. Ele, porém, omitiu o real motivo do crime.

Policiais, então, acionaram guarnições de Barbacena, no Campo das Vertentes, para interceptarem um carro suspeito que trafegava pela BR-040. O veículo foi abordado, e cinco suspeitos foram detidos, mas nenhuma das vítimas foi localizada.

Logo após, a PM de Juiz de Fora, na Zona da Mata, também no caminho para o Rio, foi acionada e abordou uma caminhonete onde estavam três suspeitos e as vítimas. Em um primeiro momento, os policiais se identificaram como agentes de segurança e disseram que estavam levando a mulher e as filhas para ficarem em segurança, porque elas estavam sendo ameaçadas por criminosos.

Ao ser perguntada, a mãe confirmou a história, mas depois relatou que estava sendo sequestrada, conforme a denúncia do marido. Ela admitiu que o seu esposo estava envolvido em um esquema de pirâmide e ficou devendo milhões de reais para os autores, recebendo diversas ameaças de morte.

Já o homem disse à polícia que, durante o sequestro, recebeu dos sequestradores imagens da família dentro do carro. Os suspeitos afirmaram a ele que, se não houvesse o pagamento da dívida, elas iriam morrer.

Todos os oito homens foram presos, e a investigação ficou a cargo da Delegacia Regional de Polícia Civil de Juiz de Fora, para onde os detidos foram levados. Como o caso envolveu crianças, o Conselho Tutelar foi acionado.

Foram apreendidos uma Toyota Yares, uma Ford Ranger, três carregadores calibre .40, dois carregadores de pistola Glock .380, 44 munições .40, 32 munições de .380, uma folha de cheque no valor de R$ 20 mil, uma máquina de cartão, um tablet, oito celulares, uma pistola Glock .380 e uma pistola pertencente à Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ).

Posição

A reportagem de O TEMPO solicitou um posicionamento da PMERJ e da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) e aguarda retorno. No hotel onde aconteceu o caso,não havia ninguém que pudesse falar oficialmente sobre o caso.

Fonte: otempo.com.br

Maníaco em série, Tarado do Parque foi estuprado em milharal quando criança

Tarado do parque Os 13 estupros cometidos contra homens pelo cozinheiro João Batista Alves Bispo, 41 anos, alimentavam, em seu íntimo, uma sensação doentia de poder e dominação. Durante 12 anos, o Tarado do Parque, como ficou conhecido, explorou a perversidade dos ataques a ponto de destroçar a capacidade de as vítimas buscarem justiça.

A facilidade para subjugar suas presas o transformou em um dos estupradores em série que agiu por mais tempo no Distrito Federal, tendo feito sua primeira investida ainda em 2008. O maníaco foi preso em 7 de outubro deste ano, após intensa investigação conduzida pela 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul).

A reportagem do Metrópoles se debruçou, ao longo de 10 dias, sobre os registros policiais envolvendo cada um dos alvos do cozinheiro. Depoimentos prestados por João Batista e analisados por criminólogos ajudam a entender seu perfil psicológico. Os documentos trazem análise de fragmentos de seu passado e indicam comportamento antissocial, que pode ter sido agravado por traumas, entre eles a violência sexual sofrida quando ainda era criança.

Em relação à declaração prestada na unidade policial, o criminoso contou ter sido estuprado por um homem quando tinha 12 anos.

Origem

O Tarado do Parque nasceu no seio de uma família religiosa e humilde, em 24 de junho de 1979, em uma área rural no município de Formosa (GO). Ele é o caçula de três irmãos – os outros são um homem de 44 e uma mulher de 46 anos. O sustento familiar era retirado da terra, com o plantio de milho, feijão e mandioca. Foi em uma das lavouras, em meio a um milharal, que João Batista foi violentado por um morador do povoado enquanto trabalhava.

Tênis da vítima morta pelo tarado do parque

tenis

Foram achados os tênis da vítima encontrada morta em janeiroPCDF/ Divulgação

Tarado do Parque

PCDF prende acusado de dopar vítimas no Parque da Cidade

João Batista Alves Bispo aplicava o golpe "Boa noite, Cinderela" em vítimas no Parque da CidadePCDF/Divulgação

Tarado do Parque

PCDF prende acusado de dopar vítimas no Parque da Cidade

Ele agia constantemente na região caçando suas presasPCDF/Divulgação

Tarado do Parque

PCDF prende acusado de dopar vítimas no Parque da Cidade

A PCDF tem conhecimento de 13 vítimas até o momentoPCDF/Divulgação

Tarado do Parque

PCDF prende acusado de dopar vítimas no Parque da Cidade

Investigadores encontraram três frascos de benzodiazepínicos e dois celulares roubados na casa delePCDF/Divulgação

PCDF prende acusado de dopar vítimas no Parque da Cidade

Polícia pede para que novas vítimas busquem a delegaciaPCDF/Divulgação

casaco azul

casaco

Na casa do suspeito, foi encontrado o casaco de uma das vítimasPCDF/ Divulgação

Tênis da vítima morta pelo tarado do parque

tenis

Foram achados os tênis da vítima encontrada morta em janeiroPCDF/ Divulgação

Tarado do Parque

PCDF prende acusado de dopar vítimas no Parque da Cidade

João Batista Alves Bispo aplicava o golpe "Boa noite, Cinderela" em vítimas no Parque da CidadePCDF/Divulgação

 Quieto

Com pouca instrução, o cozinheiro se especializou em trabalhos domésticos e, por onde passou, era visto pelos companheiros como um funcionário tranquilo e confiável, mas extremamente silencioso.

Antes de ser detido, o maníaco sexual trabalhava em um restaurante na Asa Sul temperando frangos servidos na chapa. “Ninguém imaginava que por trás de uma pessoa aparentemente inofensiva e de fala mansa havia um maníaco sexual”, contou um dos empregados do estabelecimento.

Na avaliação dos investigadores da Polícia Civil que apuram o caso, acima de todas as classificações possíveis, sustenta-se a certeza de que, entre outros traços, o Tarado do Parque desprezava a condição humana das vítimas. Se estivesse em liberdade, os ataques permaneceriam ocorrendo, sem remorso algum.

De acordo com o delegado adjunto da 1ª DP, Maurício Iacozzilli, o criminoso sexual negou a participação em todos os 13 estupros já identificados pela PCDF. “Ele fantasiava situações, dizendo que os ataques haviam sido praticados pelo seu ex-namorado e que os pertences das vítimas encontrados em sua casa teriam sido esquecidos lá pelo ex-companheiro”, disse.

O maníaco não tinha namorado e, segundo as apurações, “ele não tem amigos nem familiares próximos. Vivia sozinho em Planaltina e se mudava de residência com frequência”, explicou o delegado.

O caso

Preso preventivamente, João Batista dopava homens e, após o golpe conhecido como “Boa noite, Cinderela”, abusava sexualmente deles. Segundo o delegado Marcelo Portela, o acusado agia de modo semelhante em todas as ocasiões. “Ele ia para locais onde havia grande aglomeração de pessoas e começava a conversar com as vítimas. Então, passava a ingerir bebidas alcoólicas na companhia dessas pessoas e conquistava a confiança delas”, detalhou.

Em seguida, ele dopava os homens, colocando a medicação em suas bebidas. “Eram doses cavalares, tão altas que uma das vítimas veio a óbito. E havia sempre uma conotação sexual envolvida. Ele as convidava para um pretenso programa, aplicava a medicação e praticava os delitos”, reforçou.

As abordagens, geralmente, ocorriam à noite. De acordo com Portela, as investigações começaram após o crime que levou à morte uma das vítimas, no início de 2020. O homem, encontrado sem vida no dia 20 de janeiro, no Parque da Cidade, era morador da Asa Norte e tinha 30 anos.

Fonte: metroples.com

MP-RJ cumpre três mandados de prisão no Complexo Penitenciário de Gericinó

Ver a imagem de origem O MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro) cumpriu, nesta quarta-feira (14), três mandados de prisão preventiva e 71 mandados de busca e apreensão no Complexo Penitenciário de Gericinó, na zona oeste do Rio. O objetivo da operação foi conter as fraudes no fornecimento de alimentos para a Seap (Secretária de Administração Penitenciária)

 Fonte: r7

PF apreende 4 aviões e R$ 15 milhões em ouro de garimpos clandestinos no PA

Barras de ouro, notas de dinheiro e documentos apreendidos durante operação da PF no Pará - Divulgação/PF Polícia Federal apreendeu hoje em Santarém, no oeste do Pará, quatro aeronaves e 72 barras de ouro, avaliadas em R$ 14,8 milhões. O trabalho faz parte da operação "Ouro Frio", para combater garimpos clandestinos e o "esquentamento" do ouro para criar uma falsa legalidade ao minério extraído ilegalmente.

Os policiais cumprem oito mandados de busca e apreensão nos municípios de Santarém e Itaituba, no interior do Pará.

A ação ainda está em andamento, mas somente em um dos endereços, em Santarém, os agentes encontraram 72 barras de ouro, que totalizaram 44,9 kg, dentro de um cofre em uma das residências alvo da operação. No mesmo lugar, também foram apreendidos R$ 149 mil e US$ 20 mil, em espécie.

Em um hangar, no mesmo município, foram apreendidos quatro aviões, cuja suspeita é que fossem usados no transporte do ouro ilegal.

A operação foi articulada baseada em inquéritos policiais que são desdobramentos de uma investigação que começou em 2016 sobre a cadeia produtiva do ouro no oeste do Pará. Os alvos são garimpos clandestinos, mas também pessoas que atuam como intermediárias na cadeia, fazendo o "esquentamento do ouro".
Barras de ouro apreendidos durante operação da PF no Pará contra o garimpo ilegal - Divulgação/PF - Divulgação/PF
Valor das barras de ouro apreendidas chega a quase R$ 15 milhões
Imagem: Divulgação/PF A Justiça determinou o sequestro de bens de suspeitos de envolvimento no crime no valor de aproximadamente R$ 15 milhões. O valor é quase o mesmo do ouro apreendido hoje, mas segundo a polícia é apenas uma coincidência.

"Esse valor é a estimativa do cálculo do que havia sido subtraído da união. Fora isso, durante as buscas, foi encontrado ouro no mesmo total. Mas esse ouro, se não for apresentada documentação legal, é um ouro ilícito que significa que já fora extraído ilegalmente e seria apreendido de qualquer maneira, independentemente do valor decretado de bloqueio de bens", explicou o porta-voz da PF em Santarém, APF Nogueira.

Apesar de ainda não ter sido decretada nenhuma prisão antes da operação, os proprietários do material apreendido podem ser penalizados por extração ilegal de minério, falsificação de documentos e associação criminosa.

Essa ação faz parte da Operação Verde Brasil 2, iniciada em maio deste ano, para proteção e preservação da Amazônia e outros biomas. A operação conta com apoio das Forças Armadas.

 Fonte: noticias.uol.com.br

Homem suspeito de mostrar pênis para criança de 12 anos é esfaqueado no Distrito de Floriano, em Maringá

https://www.plantaomaringa.com/fotos/noticias/gd_homem-e-esfaqueado-suspeito-mostra-penis-para-crianca-de-12-anos-no-distrito-de-floriano-em-maringa-4308-9870.jpg Um homem de 38 anos foi esfaqueado na Rua Pioneiro José dos Santos, no Distrito de Floriano, em Maringá, neste final de semana.

De acordo com a Polícia Militar, o motivo do crime é uma denúncia de que a vítima havia mostrado órgãos genitais para uma criança de 12 anos. Ainda conforme a polícia, o suspeito do crime é pai da criança.

De acordo com a mãe da criança, no dia 19 de agosto, o vizinho teria retirado a roupa na frente da filha, enquanto criança brincava com a amiga. Ele ainda teria se masturbado e mostrado os órgãos genitais para a menina.  

O pai da menina, que é caminhoneiro e estava viajando , quando retornou neste sábado, foi informado do ocorrido e ficou revoltado. O pai se armou com uma faca e foi até a casa do vizinho, onde acabou esfaquando o homem. 

O homem sofreu ferimentos graves e foi encaminhado ao Hospital Universitário. O suspeito fugiu e não foi localizado pela polícia.

Imagem de Homem suspeito de mostrar pênis para criança de 12 anos é esfaqueado no Distrito de Floriano, em Maringá

Imagem de Homem suspeito de mostrar pênis para criança de 12 anos é esfaqueado no Distrito de Floriano, em Maringá

 

Fonte: plantaomaringa.com

Mais artigos...

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                  Saiba os benefícios de usar o LinkedIn para a sua vida profissional - IFS -  Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe 

blogimpakto  acervo         jornalismoinvestigativo   fundobrasil   Monitor da Violência – NEV USP   Capa do livro: Prova e o Ônus da Prova - No Direito Processual Constitucional Civil, no Direito do Consumidor, na Responsabilidade Médica, no Direito Empresarial e Direitos Reflexos, com apoio da Análise Econômica do Direito (AED) - 3ª Edição - Revista, Atualizada e Ampliada, João Carlos Adalberto Zolandeck

procurados

Desenvolvido por: ClauBarros Web