juarezjornalista

Encontro de advogadas criminalistas do Paraná pede fim do uso de contêineres no sistema penitenciário

r0406O I Encontro Paranaense das Advogadas Criminalistas promoveu, durante dois dias (21 e 22 de maio), o debate dos principais temas que cercam a atuação das mulheres na advocacia criminal e nos direitos humanos. O evento, promovido pela Abracim-PR (Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas no estado do Paraná) e pela seccional paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil, contou com palestra de Isabel Kugler Mendes, advogada e presidente do Conselho da Comunidade de Curitiba.

O encontro teve como tema Desafios da Advocacia Criminal e da Igualdade de Gênero no Exercício Profissional e serviu para descortinar machismos e preconceitos contra a mulher e contra a atuação feminina no Direito.

Estiveram entre as palestrantes Maira Marques, do Rio Grande do Sul, conhecida por sua atuação no caso da Boate Kiss; Fernanda Tórtima, do Rio de Janeiro, que atuou no acordo de delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista; Adriana D’Urso, de São Paulo, que atuou como assistente de acusação no caso do assassinato do empresário Marcos Kitano Matsunaga; e as paranaenses Priscila Placha Sá, Marion Bach, Maria Francisca Accioly, Terezinha Elinei Oliveira, entre outras.

O evento teve ainda a participação da ouvidora nacional da Abracrim, Michelle Marie, e da presidente da Comissão Nacional Brasileira das Advogadas Criminalistas e presidente da Abracrim-SE, Vitória Alves.

Na Carta de Curitiba, documento que será encaminhado às autoridades, as participantes denunciam violações constitucionais, cobram soluções em relação às possibilidades reais de ressocialização de apenados, condições subumanas de acondicionamento de detentos em contêineres, encarceramento de gestantes e mães de crianças, necessidade de respeito na atuação da mulher no Direito, entre outras situações.

O item IX, que trata dos contêineres, foi incluído na discussão por Isabel Kugler Mendes, que destacou, perante autoridades e acadêmicos, a inconstitucionalidade da medida, vez que tal disposição afronta o Art. 88 da Lei de Execução Penal, além de tratados internacionais já incorporados à legislação brasileira.

Carta de Curitiba das Advogadas Criminalistas do Paraná

As advogadas criminalistas, reunidas no “I Encontro Paranaense das Advogadas Criminalistas”, realizado nos dias 21 e 22 de maio de 2018, no auditório da OAB/PR, sob os auspícios da ABRACRIM – Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas, ao fim de todas as sessões de trabalho, resolvem proclamar solenemente à Nação:

I – Deve ser repudiada toda prisão desprovida de necessidade, adequação e proporcionalidade. A lei atual que trata das prisões cautelares é genérica, falha e inconstitucional, eis que não traz requisitos rígidos para seu manejo, deixando espaços para violações de direitos fundamentais;

II – Apesar da clareza do artigo 5º da Constituição Federal e dos preceitos da Lei de Execução Penal, o Brasil apresenta parâmetros inaceitáveis de crueldade física e psicológica imposta aos apenados, na contramão do caráter ressocializador das penas. Urge investir em mecanismos eficientes de real reinserção social;

III – O encarceramento da maternidade, envergonha o Brasil diante das nações medianamente civilizadas e possui caráter cruel irreparável, devendo ser abolido em sua totalidade;

IV – Urge reconhecer violações das prerrogativas profissionais da advocacia, com recorte de gênero e das interseccionalidades, para a salvaguarda da dignidade e plenitude do exercício profissional;

V – Os postulados normativos da Constituição Federal e aqueles advindos dos Tratados Internacionais de proteção às mulheres devem ser interpretados à luz da promoção da diversidade e diferença a fim de que se garantam, ao lado da igualdade formal, os direitos das mulheres de viverem plenamente suas peculiaridades – em especial aos seus direitos sexuais e reprodutivos e no que tange uma vida livre de violência;

VI – Urge que as mulheres efetivamente participem do espaço público e político, para que tenham voz e, consequentemente, o direito e o poder da palavra; o direito e o poder de serem ouvidas. Inaceitável que ainda hoje haja apenas uma mulher vereadora para cada sete homens vereadores e que, no Congresso Nacional, as mulheres não atinjam sequer 10% de representação.

VII – Já tarda que as mulheres atinjam equiparação no âmbito salarial. No mundo acadêmico, não obstante as mulheres sejam maioria na obtenção de títulos de Doutorado, nos últimos anos, os salários continuam sendo 16,5% inferiores aos dos homens.

VIII – Vivemos um período de grande avanço legislativo na temática da colaboração premiada, na pretendida busca e combate da corrupção e criminalidade organizada, mas também de grande insegurança jurídica em razão das lacunas legislativas ainda existentes. Urge o aprimoramento legislativo do instituto para que seu uso desmedido não possa servir como perseguição de adversários ou como contenção do irracional clamor popular, às custas de garantias tão caras ao Estado Democrático de Direito;

IX – Que o Estado do Paraná revogue a decisão de instalar containers para a custódia de presos, vez que tais celas afrontam o artigo 88 da Lei 7.210/1984, além da própria Constituição Federal e Tratados Internacionais dos quais o Brasil é signatário, a fim de fomentar uma execução penal digna.

X – Devem ser estimulados eventos idênticos ao realizado nesta data, nos Estados que nunca o fizeram, para que as advogadas sintetizem os problemas e dificuldades enfrentadas no dia a dia profissional;

Colocada esta carta em votação, foi aprovada pelo Plenário. Após a aprovação foi encaminhada aos Presidentes Nacional e Estadual da ABRACRIM, para darem conhecimento público destas conclusões.

Com os agradecimentos a OAB/PR, a Presidência e Ouvidoria Nacional, Diretoria, Presidências e Diretorias Estaduais, Conselho Nacional da Advocacia Criminal e Ouvidorias Estaduais da ABRACRIM, agradecem as presenças e convidam para comparecimento no “IX Encontro Brasileiro da Advocacia Criminal”, dias 14 e 15 de junho próximos no Rio de Janeiro.

Curitiba, 22 de maio de 2018.

Michelle Marie

Ouvidora Nacional da ABRACRIM

Vitória Alves

Presidente da Comissão Brasileira das Advogadas Criminalistas da ABRACRIM

Alexandre Salomão

Presidente da ABRACRIM/PR

Mariana Lopes da Silva Bonfim

Presidente da Comissão Paranaense das Advogadas Criminalistas da ABRACRIM

Fonte: conselhodacomunidadecwb

Comentar

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    IMG 20170821 WA0024  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web