CPI busca soluções para falsos atestados médicos

recalcTiveram início nesta terça-feira, 11, na Assembleia Legislativa, os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito da Indústria do Atestado Médico, que vai apurar irregularidades nesse tipo de justificativa para a falta no trabalho e propor soluções que reduzam o seu impacto na economia.

“Mais do que investigar o crime de emissão ou uso de atestados médicos falsos, queremos realizar um trabalho propositivo e que ofereça soluções para o problema”, afirmou o deputado Delegado Rubens Recalcatti (PSD), relator da CPI. Ele terá 180 dias para apresentar o seu relatório.

O presidente da CPI, deputado Anibelli Neto (PMDB), convocou para serem ouvidos o presidente do Conselho Regional de Medicina, Wilmar Mendonça Guimarães, a conselheira do CRM, Keti Stylianos Patsis, o diretor de Recursos Humanos do Sesc-PR, Marcos Antonio Carneiro, o assessor da Fecomércio, Edson Luiz Guariza, e o delegado Vilson Toledo, que compareceu com uma pilha de inquéritos sobre o tema abertos pela Delegacia de Combate ao Crime contra a Saúde (Decrisa).

Logo na primeira audiência, o delegado do Decrisa apresentou a proposta de autenticação digital dos atestados, que seriam emitidos por e-mail diretamente do médico para a empresa. “Nesse caso, seria necessário um sistema que garanta a segurança digital da assinatura”, afirmou.

O presidente do CRM disse que o uso da tecnologia já foi debatido no órgão para combater a emissão de receitas de medicamentos controlados. “Não houve uma unanimidade, mas o uso da tecnologia é inexorável e devemos estudar essa proposta com muita profundidade”, avaliou.

Os representantes do setor comercial demonstraram preocupação com os transtornos com a apresentação dos atestados falsos para justificar falta ao trabalho. “Acho muito importante que a Assembleia inicie esse debate para que possamos encontrar uma saída para os prejuízos provocados pelos atestados médicos falsos”, disse Marcos Antonio Carneiro.


FOTOS: Assessoria de Imprensa

LEGENDA 1: Deputados Delegado Recalcatti e Anibelli Neto, relator e presidente da CPI, em frente a inquéritos do Decrisa

LEGENDA 2: Deputados Delegado Recalcatti e Anibelli Neto defendem CPI com resultados propositivos

--

MAIS INFORMAÇÕES

André Nishizaki

Assessoria de Imprensa

41-99873-6353 (Whatsapp/TIM)

41-99142-1897 (Vivo)

41-3350-4335 (Gabinete)


Gabinete Deputado Delegado Recalcatti

Assembleia Legislativa do Paraná

Gabinete 605 - Edifício dos Gabinetes

Pça. Nossa Senhora de Salete S/N

Curitiba - Paraná - CEP 80.530-911