WhatsApp Image 2021 12 08 at 13.52.38

Coronel da PMDF chama companheiro de farda de 'Pinóquio' na CPI

https://midias.correiobraziliense.com.br/_midias/jpg/2023/09/21/675x450/1_whatsapp_image_2023_09_21_at_11_38_10-29613328.jpeg?20230921120318?20230921120318 O coronel Paulo José Bezerra, ex-subchefe do Departamento de Operações (DOP), da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), afirmou que o coronel Marcelo Casimiro merece o troféu de “Pinóquio” de “cara de pau do ano”. O oficial afirmou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Atos Antidemocráticos da Câmara Legislativa (CLDF) que a atribuição das manifestações de 8 de janeiro era de Casimiro.

À CPI, Bezerra citou que não era determinação dele abrir a Esplanada dos Ministérios, refutando a tese apontada por Casimiro em depoimento anterior à comissão. O coronel disse que não teria porquê abrir a Esplanada, já que nem é de atribuição dele tal função. “Teve uma reunião no sábado, com o delegado Andrei (da Polícia Federal), e ele manifesta preocupação com a eventual manifestação agressiva. Acho interessante, porque eu não soube dessa reunião”, disse.

“Inclusive, o Casimiro credita a mim a ordem de abrir a Esplanada. Eu chego de férias e não estava inteirado sobre possíveis manifestações. O Casimiro merece um troféu Pinóquio, de cara de pau do ano”, completou o coronel Paulo José.

Pedido de fechamento da Esplanada negado

Conforme mostrado pelo Correio, em julho, o diretor-geral da PF, Andrei Passos, se encontrou com a subsecretária de Operações, coronel Cíntia Queiroz, e com o ex-secretário-executivo Fernando de Sousa Oliveira, às vésperas do 8 de janeiro, para tratar sobre o fechamento da Esplanada. O pedido da PF foi negado pela cúpula da SSP.

Antes, o coronel disse que esteve afastado da corporação de novembro a início de janeiro e que, quando retornou, toda a cúpula do DOP estava de férias, entre eles o coronel Jorge Eduardo Naime, preso desde fevereiro após ser alvo de uma operação da PF. “Me causou estranheza, porque quando retorno de férias, tinham três coronéis que eram do núcleo operacional. Mas eles saíram”, disse. “Estou afastado de novembro a 2 de janeiro e quando retorno, eu não encontro o núcleo do batalhão”, completa o coronel.

Bezerra disse que quando foi convidado por Naime a integrar o DOP, era para integrar a parte administrativa, e não a área operacional. O coronel é um dos policiais militares denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Ele foi preso ao lado de outros oficiais em 18 de agosto.

Denunciados

Ao ser preso, Paulo José Bezerra e outros oficiais do alto-comando da PMDF foram denunciados pela PGR pelos crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, deterioração de patrimônio tombado e por infringir a Lei Orgânica e o Regimento Interno da PM.

Dos sete oficiais presos na operação, seis tiveram os salários suspensos pelo comandante-geral da PMDF, Adão Macedo, cumprindo uma determinação do ministro Alexandre de Moraes. A única exceção, por ora, é o próprio coronel Paulo José Bezerra.

'Fazendeiro do Amor': foragido que enganava mulheres é preso no Paraná; golpes chegam a R$ 2 milhões, diz polícia

Teodoro Cardoso, conhecido como o “Fazendeiro do Amor", foi preso nesta segunda-feira (11) em São José dos Pinhais — Foto: Reprodução/RPC Curitiba A Guarda Municipal (GM) de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, prendeu o fugitivo Teodoro Cassiano Cardoso, de 55 anos, conhecido como o “Fazendeiro do Amor". Segundo investigação, Teodoro se passava por dono de fazendas e aplicou golpes em mulheres de diversas regiões do país com promessas amorosas. Saiba mais abaixo.

A captura foi feita na manhã desta segunda-feira (11).

"Ele se envolvia emocionalmente com as vítimas, ganhava confiança, começava a fazer pequenas transferências e avançava para vendas de carros, casas, terrenos... pegava o dinheiro e sumia da vida da pessoa", explica o chefe de operações da GM de São José dos Pinhais, Marciano Carlos Barreto.

Segundo a Guarda Municipal, o suspeito estava morando desde o início de setembro com uma mulher em São José dos Pinhais. A equipe acredita que ela seria uma possível vítima dos golpes de Teodoro, apesar de ainda não ter passado nenhum bem para ele.

"Pessoas em volta dessa senhora procuraram a Guarda Municipal e comentaram a situação sobre o envolvimento abusivo dele nessa questão financeira", conta Barreto.

Até a última atualização desta reportagem, Teodoro permanecia preso no Paraná. Segundo a Polícia Civil do Paraná, na sequência ele será transferido para o Mato Grosso do Sul.

O g1 tenta contato com a defesa do homem.

Prisão anterior

Teodoro Cardoso, foragido de Campo Grande, foi preso durante abordagem em Rondônia — Foto: Reprodução

Em junho do ano passado, Teodoro já havia sido preso em Presidente Médici, cidade de Rondônia. Veja foto acima.

Ele era procurado pela Justiça de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul.

Daquela vez, o suspeito apresentou uma documentação falsa e tentou subornar os policiais oferecendo uma propina de R$ 50 mil para ser liberado, segundo a polícia local.

Segundo a Guarda Municipal de São José dos Pinhais, ele saiu da prisão em regime semiaberto, estava com uma tornozeleira eletrônica e deveria se apresentar em Campo Grande, mas rompeu o equipamento e não se apresentou.

Devido a isso, um novo mandado de prisão foi expedido pela Justiça de Campo Grande em 30 de agosto deste ano.

Golpe do falso fazendeiro

As investigações contra o suspeito identificaram que ele se passava por fazendeiro para se aproximar de mulheres.

Acreditando nas promessas amorosas, as vítimas transferiam as propriedades para o nome do suspeito ou vendiam para terceiros e davam para ele o dinheiro do negócio, diz polícia.

Os crimes que ele cometeu ultrapassam prejuízo de R$ 2 milhões para as vítimas; em um dos casos, a mulher perdeu a única residência que possuía para morar, aponta inquérito.

Fonte: https://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2023/09/11/fazendeiro-do-amor-foragido-que-enganava-mulheres-e-preso-no-parana-golpes-chegam-a-r-2-milhoes-diz-policia.ghtml

Glauber vai representar no CNJ Juiz militante de direita que o multou em 1 milhão!

1 Glauber vai representar no CNJ Juiz militante de direita que o multou em 1 milhão!

Sintomas de uma sociedade ainda doente

 Estar há quase sete anos na reitoria da UFPR tem sido uma experiência desafiadora. Sinto em vários momentos a alegria de compartilhar com tantos e tantas o orgulho de pertencer a uma instituição centenária (somos a universidade mais antiga do Brasil) que está sempre no topo nos rankings importantes, e crescendo. Ao conversar com pessoas de todos os campos – o empresarial, sindical, do terceiro setor – identifico aquela sensação positiva de termos em nosso Estado essa usina de conhecimento, de formação, de inovação, a nossa UFPR.

Mas também vejo ocorrerem situações, por assim dizer, inusitadas. Nos últimos anos nós até nos acostumamos em receber todo o tipo de ataque absurdo, visto que havia em vários círculos uma distopia crônica que buscava demonizar as universidades públicas brasileiras como lugares de perversão e de “balbúrdia”. É certo que esses ataques geralmente vinham de pessoas que nunca colocaram os pés numa universidade e que não tinham ideia do que acontecia aqui dentro. Mas ainda assim, talvez em razão da polarização patológica que a nossa sociedade vivia, “fake news” absurdas ou distorções toscas ganharam uma divulgação desproporcional. Parece que a lógica era: se havia quem desse o “click” ou o “like”, por que não dar visibilidade ao absurdo? E assim defeitos eram inventados ou cada pequeno problema (todos temos alguns, claro) era olhado com um microscópio. Toda falha sempre foi hiperdimensionada. Se nossa complexa estrutura (de mais de 40 mil pessoas e diversos campi por todo o Paraná) não funcionasse como um relógio suíço, apesar de todos os problemas orçamentários que temos e tivemos, a reação contrária seria implacável.

Depois que passamos por uma trágica pandemia, na qual mesmo os mais obtusos tiveram que se curvar ao fato de que a ciência é essencial para a vida e que sem os/as cientistas das universidades públicas estaríamos em péssimos lençóis (pois é nelas que está a maior parte dos cientistas), eu imaginava que essa onda surreal iria arrefecer. Mas percebo, com um bocado de tristeza, que nossa sociedade ainda mostra muitos sintomas de uma doença que insiste em persistir.

Esta semana, uma mobilização coletiva de revolta por conta de um evento ocorrido no último sábado de manhã num dos auditórios da nossa universidade ganhou as redes sociais. Pelo que soube, nesse evento, pessoas defenderam a extinção da polícia (ou então, a desmilitarização da polícia) e de outro lado havia defensores das forças policiais. As informações que nos chegam sugerem que o confronto foi premeditado, anunciado e então devidamente gravado, para produzir, com sucesso, o pretendido alarde nas redes sociais. A “lacração”, a performance e a violência como métodos, todos sabemos, já faz até parte da paisagem política brasileira; o argumento, a mediação e a ponderação que se lixem. E parece que esse debate escalou ao ponto de virar motivo de confronto na Assembleia Legislativa do Estado: ali um deputado extremista, depois de atacar a Universidade por ter sediado o evento, pregou o extermínio dos bandidos a pretexto de defender a polícia.

Bem, estou consciente, claro, da seriedade e da complexidade do problema da segurança pública, da violência e do papel das polícias. A universidade, pela sua própria natureza, não é indiferente a isso e deve refletir sobre essas questões relevantes, como sobre tantas outras que afligem o nosso tempo. É o que universidades devem fazer: elas pensam, elas debatem. Não entro aqui no mérito das ideias proferidas ali, se foram boas ou más; eu naturalmente tenho posições sobre o assunto, mas elas não são importantes para o que quero dizer, que é algo de outra ordem. A questão é que o acontecimento e sua repercussão desmedida mostram como a nossa sociedade, infelizmente, está ainda doente.

Em primeiro lugar, claro, pelo fato de algumas ideias proferidas num sábado de manhã, num auditório com um punhado de pessoas, tenham tido uma escalada a tal ponto de irem para a imprensa, para a discussão entre deputados estaduais e, claro, para as redes sociais, o que me parece claramente desproporcional. Ali não se estava decretando se a polícia devia acabar ou ser desmilitarizada; estava-se debatendo o tema. Dali não iria sair nenhuma lei ou decreto; só posições de uma parte ou de outra.

Eu me atenho ao fato de que o que parece é que existem pessoas que têm uma obsessão pela produção da polarização, pelo debate violento e destemperado, pela pura disseminação de controvérsias. Parece que, para essas pessoas, esse é o sentido de viver. Mas quando o grito supera o argumento, se a performance da comunicação do que se diz é mais importante que sua densidade, se a “edição” da mensagem se sobressai ao conteúdo, e, pior, se tudo isso forma uma marola que chega ao ponto da histeria e ocupa o tempo e as preocupações das pessoas durante tantos dias, bem, isso para mim é um sinal de que a nossa sociedade continua doente.

Mas, sendo reitor da universidade, há ainda outra coisa que me assombra na mesma proporção: em meio a essa controvérsia toda, a demonstração do imenso desconhecimento sobre como as universidades funcionam enquanto lugares de debates. É certo que algumas pessoas sentiram desconforto com ideias que foram proferidas numa discussão num sábado de manhã num auditório com poucas dezenas de pessoas; isso eu sou capaz de entender. Mas que a partir disso se desperte nessas pessoas uma revolta, de maneira estranha e desavisada, contra toda uma instituição universitária, bem, aí acho que algum elo se perdeu.

O defeito sério de raciocínio aqui é confundir cada reflexão que ocorre em um auditório, em um evento entre centenas de outros que ocorrem todas as semanas numa universidade, com uma “posição oficial” da universidade. E que se incorra numa falácia que já era objeto de reflexão desde a filosofia grega: confundir o todo com a parte. E, a partir daí, que se ataque toda a instituição. E que se espere, então, que se a universidade se comporte como um órgão censor ou repressor.

Para quem não sabe, que fique sabendo agora: a UFPR tem dezenas de campi, em várias cidades diferentes; tem quase 100 programas de pós-graduação; tem 128 cursos de graduação, em todas as áreas do conhecimento, com número equivalente de centros acadêmicos; tem centenas de grupos de pesquisa e extensão, nos temas mais variados e com todo tipo de abordagem. E as reflexões que saem desses coletivos são abordadas em centenas de diferentes auditórios que existem na nossa enorme estrutura, de maneira profundamente plural e diversa, embora só algumas delas sejam “eleitas” para ganhar o palco das redes sociais.

A Universidade (e toda universidade que respira liberdade no mundo é assim) é uma estrutura complexa, livre e descentralizada; e deve inclusive fomentar essa liberdade, porque do contrário não germinam em nosso solo a inteligência e a criatividade. Claro que o controle mínimo que se deve ter por parte da instituição deve incidir pela restrição de discursos discriminatórios, autoritários, violentos e que venham a ofender direitos dos outros. Afora esses limites, a liberdade deve ser a regra.

Exigir que a nossa instituição faça um “controle prévio” do que os vários coletivos internos ou externos queiram discutir seria uma medida autoritária, coisa de gente que não aprecia liberdade, coisa de quem acha natural censura prévia ou para quem tem saudades dos tempos da ditadura. Uma universidade que se defina como entidade pensante jamais pode fazer isso. Isso não significa que todos os debates ocorridos dentro dos muros sejam necessariamente de alto nível e que sempre exalem inteligência refinada; significa apenas que interferir em qualquer debate (em seu conteúdo ou em sua qualidade) seria medida autoritária, salvo naquelas ressalvas já feitas antes.

Se alguém quer qualificar um debate ou apresentar os seus contrapontos, que participe dele com argumentos. Que o faça de modo honesto, sem performance ou lacração; que traga dados e exerça o dissenso com probidade e disposição de diálogo. E que, assim o fazendo, seja respeitado na sua posição divergente. Enfim, que dispute de modo livre e respeitoso a batalha das ideias. Isso é o que se espera de todos os lados. A universidade absolutamente não pode ser de outra forma.

Enfim, é chocante verificar, a partir da eclosão desse episódio, como existem pessoas que esperam que a instituição que é símbolo da inteligência deva, nessa arena livre da circulação das ideias, promover a censura, o controle, a restrição, a limitação, a proibição, a punição. Vejo isso, repito, como sintomas de uma sociedade que insiste em permanecer doente.

O remédio, ou ao menos um dos mais eficientes? Mais liberdade, mais pluralidade, mais inteligência. A universidade assume o compromisso de dobrar essa aposta.

Fonte: https://www.plural.jor.br/artigos/sintomas-de-uma-sociedade-ainda-doente/

Mesmo acusado de manter empregada como escrava, desembargador recebeu R$ 178 mil do TJ-SC

Desembargador Jorge Luiz Borba responde a processos por manter empregada em situação de trabalho análogo à escravidão Em junho, a Polícia Federal fez uma operação na casa do desembargador em Florianópolis, autorizada pelo STJ, para resgatar uma mulher de 49 anos, surda e com dificuldades na fala, que vivia na casa da família desde os 13. De acordo com a investigação, ela era responsável por fazer tarefas domésticas, vivia em um quarto nos fundos da residência, não recebia salário e não aprendeu a linguagem de libras.

Borba responde a dois processos pelo episódio: um no CNJ (reclamação disciplinar) e outro no STJ, foro especial para desembargadores suspeitos de crimes que são de competência da Justiça comum. O CNJ trata dos reflexos administrativos do caso e pode punir Borba com as sanções previstas na Lei Orgânica da Magistratura (Loman).

O desembargador é lotado na 1ª Câmara de Direito Público do TJ-SC. Ele está na função há 5 anos e foi escolhido pelo quinto constitucional - cota dos tribunais que é preenchida por membros do Ministério Público, Defensorias ou da advocacia, classe à qual Borba pertencia. Ele foi presidente da seccional catarinense da Ordem dos Advogados do Brasil.

A Câmara em que Borba trabalha tem sessões todas as terças-feiras de tarde, quando ele costuma estar disponível no gabinete. Todas são transmitidas ao vivo no canal do Youtube do tribunal, mas não ficam salvas. No dia em que a Polícia Federal fez o resgate na casa do desembargador, havia 69 processos pautados para julgamento. A competência do órgão são casos de tributação, questões de trabalho de servidores públicos e execuções fiscais.

Questionado sobre o caso, o TJ-SC enviou uma nota ao Estadão afirmando que a competência para decidir sobre um eventual afastamento do magistrado é do STJ, que conduz as investigações. "Por ora, o desembargador Jorge Luiz de Borba segue exercendo as suas funções e recebendo seus subsídios normalmente, dentro do teto constitucional", disse a Corte.

A reportagem entrou em contato com a assessoria do desembargador, que respondeu que os procedimentos são sigilosos e que, por ora, não comentará o caso.

Fonte: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2023/08/28/mesma-acusado-de-manter-empregada-como-escrava-desembargador-recebeu-r-178-mil-do-tj-sc.htm

Mais artigos...

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                  Saiba os benefícios de usar o LinkedIn para a sua vida profissional - IFS -  Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe 

blogimpakto  acervo       jornalismoinvestigativo      Capa do livro: Prova e o Ônus da Prova - No Direito Processual Constitucional Civil, no Direito do Consumidor, na Responsabilidade Médica, no Direito Empresarial e Direitos Reflexos, com apoio da Análise Econômica do Direito (AED) - 3ª Edição - Revista, Atualizada e Ampliada, João Carlos Adalberto Zolandeck   observadh

procurados

Desenvolvido por: ClauBarros Web