JORNALISTAMINI

Leis e polícia avançam, mas PCC "vem crescendo", diz delegado que combate facção em SP

Fabiano Fonseca Barbeiro, delegado do Deic, responsável pela investigação que prendeu "juiz" do "tribunal do crime" do PCC na última quarta-feira (11) na zona leste de SP

e1610"A criminalidade organizada, que está em pauta no presente momento [o PCC (Primeiro Comando da Capital)], vem crescendo, sim". A afirmação é de Fernando Fabiano Fonseca Barbeiro, titular da delegacia que investiga organizações criminosas e lavagem de dinheiro no Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), da Polícia Civil de São Paulo.

Em entrevista aoUOL, Barbeiro disse, entretanto, que, na mesma medida em que a facção criminosa cresce, os "aparatos de segurança pública e a Justiça vêm se aperfeiçoando para lidar com este fenômeno". O delegado cita a criação de unidades policiais e judiciais especializadas em prevenir, investigar e julgar os crimes organizados pelo PCC.

O PCC foi criado em agosto de 1993, no presídio de Taubaté, no interior de São Paulo, após o massacre do Carandiru, em 1992, e de outras violações aos direitos humanos que os presos denunciavam. Os principais integrantes da organização criminosa estão presos atualmente. A superlotação de presídios alimenta o grupo, segundo apontam especialistas em segurança pública --apesar de os chefes estarem reclusos, a facção se fortaleceria na esteira de falhas do sistema prisional, que não seria efetivo na ressocialização dos detentos.

Como exemplo de avanços na repressão ao PCC, o delegado Barbeiro cita duas leis federais, uma de 2012 e outra de 2013, sancionadas pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que, segundo ele, colaboram com a investigação contra o crime organizado.
A primeira é a do "juiz sem rosto" --quando vai haver um julgamento de integrante de facção, o juiz requer um colegiado e não fica identificado. A segunda define os conceitos do que é uma organização criminosa. A partir disso, os acusados podem responder a penas mais pesadas, quando comprovado que pertencem a facções e, consequentemente, têm nível de periculosidade superior.
Barbeiro diz que a delegacia da qual é titular "não só realiza, mas também acompanha investigações com foco em integrantes da organização criminosa interpostas por outras unidades da Polícia Civil, com o intuito de colaborar em seus resultados". "Ao tomar conhecimento de uma operação, [a delegacia] trata de identificar seus alvos para auxiliar na localização e prisão dos criminosos", afirmou.

Tribunal do crime

Os policiais dessa delegacia foram os responsáveis por prender, na última terça-feira (10), na zona leste paulistana, umhomem apontado como o responsável por coordenar os chamados "tribunais do crime" da facção criminosa. Fabiano Costa de Oliveira, 35, estava foragido desde maio, quando a Justiça decretou sua prisão.

Contra Oliveira, havia mandados de prisões expedidos nas cidades de Cerquilho, Franco da Rocha e Guarulhos --por crimes como roubo e tráfico de drogas. Segundo a polícia, ele tinha o cargo de "sintonia final de cadastro", ou seja, uma espécie de "juiz do tribunal" feito pelo PCC, que sentencia à morte ou ao perdão os "réus", acusados de terem falhado com a facção ou com a comunidade em que vivem.

Assim que são condenados pelo júri, composto por integrantes da facção, o homem que está no cargo de "sintonia final de cadastro" sentencia a morte do réu. Após o assassinato, o corpo é enterrado em um dos vários cemitérios clandestinos utilizados pelo PCC no Estado.

Na última segunda-feira (9), aPolícia Civil identificou um desses cemitérios em Mauá, na Grande São Paulo. Lá, quatro pessoas, mortas após um "tribunal" realizado em 27 de setembro, estavam enterradas. Eram três homens e uma mulher.

O tráfico de drogas, apontado pela Polícia Civil e MP (Ministério Público) como o principal crime do PCC no Estado, teve um pequeno acréscimo no número de casos registrados no primeiro semestre deste ano, de acordo com dados da SSP (Secretaria da Segurança Pública).

No primeiro semestre, a polícia registrou 24.448 ocorrências no Estado de tráfico de drogas. No mesmo período do ano passado, foram registrados 23.878 casos. Ou seja, neste ano houve 570 casos a mais (2,5%).

De acordo com o delegado Barbeiro, atualmente, no Brasil, as forças de segurança vêm enfrentando três modalidades de ações criminosas: o crime organizado, os grupos especializados e os que agem individualmente.

  • A criminalidade organizada é praticada por organizações criminosas compostas por inúmeros integrantes, estruturadas e pautadas pela hierarquia e disciplina, com focos bem definidos, voltadas para a prática de crimes em larga escala, que encontram no tráfico de drogas uma de suas atividades mais rentáveis, sem prejuízo de outras práticas, inclusive os próprios atos de gestão e arrecadações financeiras que são impostos a seus integrantes;

    • A criminalidade praticada por meio de grupo de criminosos com uma maior especialidade, caracterizada por um número de integrantes bem menor, em que a hierarquia existe de forma linear e tem como foco crimes patrimoniais, como roubos em série e até mesmo estelionatos, em diversas modalidades;
    • A criminalidade por criminosos eventuais ou habituais, porém praticada de forma individual e aleatória.

    Ações da polícia atingem poderio da facção, diz SSP

    De acordo com a Secretaria da Segurança Pública, o combate ao crime organizado é realizado dia e noite pelas forças de segurança do Estado. "Só em 2016, foram presas em São Paulo 605 pessoas envolvidas em organizações criminosas. Graças ao trabalho de inteligência das polícias paulistas, diversas operações foram deflagradas, incluindo a Ethos, que resultou na prisão de 53 advogados ligados a facções criminosas", informa a pasta, em nota.

  • Outro exemplo que a SSP comentou foi a operação realizada pelo Denarc em março de 2015, no combate ao tráfico de drogas, quando dez foram presos. Em agosto de 2016, policiais do departamento, dessa vez em conjunto com a PM, prenderam 32 criminosos, na região central. "Na mais recente, no dia 2 de outubro, policiais do Deic evitaram um roubo bilionário que aconteceria em uma agência bancária, na zona sul. Foram presos 16 integrantes da quadrilha e as investigações seguem pelo departamento", citou.

  • Os trabalhos, em parceria com a SAP (Secretaria da Administração Penitenciária), também motivaram a transferência de chefes do crime organizado para o RDD (Regime Disciplinar Diferenciado) em penitenciárias de segurança máxima, de acordo com a SSP. Procurada, a SAP não se manifestou sobre o assunto até a publicação da reportagem.

  • "Como resultado das políticas de segurança pública desenvolvidas pelo governo, o Estado teve, nos últimos 12 meses, as duas menores taxas de homicídios dolosos da série histórica, iniciada em 2001. Foram 7,77 casos e 8,28 vítimas para cada 100 mil habitantes. Essa também é a menor taxa do país, considerando o último anuário divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública", informou a pasta."Ações como essas atingem diretamente o poderio financeiro de organizações criminosas, limitando suas atividades", complementou.

  • Fonte: UOL

Youssef “usou cunhada com retardo mental para desvios”

O doleiro Alberto Youssef, delator na Operação Lava Jato, foi condenado por envolvimento em supostos desvios de R$ 15 milhões na Prefeitura de Maringá, interior do Paraná.

e0910No despacho em que condenou Youssef a cinco anos de prisão, o juiz Joaquim Pereira Alves, da 3.ª Vara Criminal de Maringá, afirmou que o acusado teria usado Cristina, “uma cunhada, com retardo mental”, já falecida, para lhe “repassar uma procuração com poderes para realizar movimentações bancárias”.

“Conforme demonstrado nos autos, Alberto Youssef utilizava de ‘laranjas’ para efetuar as movimentações financeiras ilegais, sendo que dentre essas pessoas figurava até mesmo sua irmã, Olga Youssef. Insta registrar que, o acusado Alberto Youssef se aproveitou do fato de sua cunhada, a denunciada Cristina (falecida), que possuía retardo mental, para lhe repassar uma procuração com poderes para realizar movimentações bancárias”, escreveu o juiz na sentença, segundo reportagem de Fausto Macedo.

O doleiro já foi condenado a 122 anos na Lava Jato, mas teve a pena reduzida pelo juiz Sérgio Moro após virar delator. Ele ficou dois anos e oito meses preso em regime fechado. Em maio deste ano, foi beneficiado pela progressão de regime e vai cumprir pena em regime aberto até março de 2019, com tornozeleira eletrônica e outras restrições. Ele também já havia sido detido três vezes por envolvimento em esquemas no Paraná e no caso Banestado, do qual também foi delator.

Fonte: Fabiocampana

Dos roubos de rua ao comando do tráfico na Rocinha: conheça a trajetória de Rogério 157 no crime

0410edNascido na cidade mineira de Governador Valadares, Rogério Avelino da Silva começou sua trajetória no crime ao estilo mineiro: de mansinho, pelas beiradas. A princípio, assaltava pedestres nas ruas da Zona Sul do Rio, prática que lhe renderia o apelido de Rogério 157 — número do artigo do Código Penal referente ao crime de roubo. Da necessidade de dar um destino para os bens subtraídos de suas vítimas, vieram as primeiras conexões com traficantes, para quem revendia os itens. Em pouco tempo, tornou-se “vapor” (responsável por pequenas vendas de droga no varejo) na Rocinha, então comandada por Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem. A posição de pouquíssima expressão na hierarquia da quadrilha, porém, logo seria substituída.

Rogério subiu no conceito de Nem em 2010, quando bandidos da Rocinha invadiram um hotel de luxo em São Conrado, após uma operação policial na favela. Foi a única ocasião em que o criminoso acabaria preso, mas uma decisão judicial o libertou em janeiro de 2012, três meses após o próprio Nem ir parar atrás das grades.

Nos anos seguintes, Rogério 157 recebeu do chefão a missão de controlar a venda de drogas na parte baixa da comunidade, dividindo o território com Luiz Carlos Jesus da Silva, o Djalma. O gosto do criminoso por golpes de estado manifestou-se, então, pela primeira vez

Se hoje a disputa que aterroriza a Rocinha é com o ex-aliado Nem, Rogério, à época, passou a perseguir Djalma, com o intuito de chefiar o tráfico em toda a favela. Em abril de 2014, em meio às investidas do suposto colega, Djalma terminou preso, abrindo espaço para a ascensão de 157. “Jesus é o dono do lugar”, diz o extravagante cordão de ouro costumeiramente ostentado pelo bandido. A partir daquele momento, por mais que ainda subordinado a Nem, Rogério também era.

Joias, prostitutas, bebidas e, agora, tortura a assaltantes

Ao grosso pingente com a inscrição religiosa, somam-se anéis, também de ouro, com a numeração “157” — adereços presentes em boa parte das imagens conhecidas de Rogério. Além das joias chamativas, o bandido é famoso pelo prazer de esbanjar com bebidas e prostitutas. O estilo o faz cair no gosto de criminosos mais jovens, seus aliados mais próximos, mas desagrada aos traficantes da velha guarda e também à comunidade como um todo.

A imposição de taxas para gás, mototáxis e até água mineral é outro fator que afasta o rival de Nem dos moradores, que se incomodam ainda com o fato de ele não ser “cria” da favela. Nesse cenário, Rogério 157 adotou medidas que se opõem à sua origem: a 11ª DP (Rocinha) investiga ao menos dois casos de ladrões da região torturados pelo bando do traficante.

Contra Rogério há quatorze mandados de prisão em aberto por crimes como tráfico de drogas, associação para o tráfico, extorsão e homicídio. A vida criminosa do traficante não começou no Rio. Ele é acusado de um homicídio em Caricacica, no Espírito Santo, em 2006, e de uma tentativa de homicídio em Governador Valadares cinco anos antes.

Homens de Nem e de Rogério 157 iniciaram uma guerra pelo controle do tráfico na Rocinha no último dia 16. Antes disso, pessoas ligadas a Nem — como Danúbia Rangel, sua mulher — foram expulsas da favela. Em meio à disputa, 157 trocou de facção: foi da Amigos dos Amigos (ADA), que tem Nem como um dos cabeças, para o Comando Vermelho (CV). Informações que levem à prisão de Rogério já valem R$ 50 mil no Disque-Denúncia (21 2253-1177).

Fonte: Extra

 

Polícia encontra máquina que embalava 120 kg de cocaína por dia em casa em SP

Duas mulheres e um homem foram presos em casa de classe média alta na Vila Alpina

 cocaina120A polícia apreendeu uma máquina de embalar cocaína em uma casa de classe média alta na Vila Alpina, Zona Leste de São Paulo, nesta segunda-feira (25). Duas mulheres e um homem foram presos. 

Na residência funcionava um laboratório de fabricação de drogas. Segundo a Delegacia de Investigações de Entorpecentes, a máquina tem capacidade para embalar 120 kg por dia. 

Fonte: G1

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

EstatutoA Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto.

O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.

Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes, mantendo características que são nosso lema PAZ, JUSTIÇA, LIBERDADE, IGUALDADE e UNIÃO acima de tudo ao Comando.

Que o novo Estatuto faça juz a cara que o Comando tem hoje e com o apoio e união de todos almejamos crescer cada vez mais, fortalecendo a ajuda aos que necessitam.

Agradecemos todos os irmãos que se dedicam pela nossa causa e qualquer dúvida procure a Sintonia para que possíveis dúvidas sejam esclarecidas.

1 Item:
Todos os integrantes devem lealdade e respeito ao Primeiro Comando da Capital, devem tratar todos com respeito, dando bons exemplos a ser seguidos pela massa, acima de tudo ser justo e imparcial.

2 Item:
Lutar sempre pela PAZ, JUSTIÇA, LIBERDADE, IGUALDADE e UNIÃO, visando sempre o crescimento da organização, respeitando sempre a ética do crime.

3 Item:
Todos os integrantes do Comando tem por direito expressar sua opinião e tem o dever de respeitar a opinião de todos. Sabendo que dentro da organização existe uma hierarquia e uma disciplina a ser seguida e respeitada. Aquele integrantes que vier a causar divisão dentro do Comando, desrespeitando esses critérios, será excluído e decretado.

4 Item:
Aquele integrante que for para rua tem a obrigação de manter o contato com a Sintonia da sua quebrada ou da quebrada que o mesmo estiver. Estar sempre a disposição do Comando, a Organização necessita do empenho e união de todos os integrantes. Deixamos claro que não somos sócios de um clube e sim integrantes de uma Organização Criminosa, que luta contra as opressões e injustiças que surgem no dia a dia e tenta nos afetar. Sendo assim, o Comando não admite acomodações e fraquezas.

5 Item:
Todos os integrantes que estiver na rua, tem a mesma obrigação, sendo ele estruturado ou não, porém os estruturados tem condição de se dedicar ao Comando e quando possível participar de projetos que venham a criar soluções desamparo social e financeiro para apoiar os integrantes desamparados.

6-Item :
O comando não admite entre seus integrantes, estupradores, pedófilos, caguetas, aqueles que extorquem, invejam, e caluniam, e os que não respeitam a ética do crime.

7- Item:
É dever de todos os integrantes da facção colaborar e participar dos “progressos“ do comando, seja ele qual for, pois os resultados desse trabalhos são integrados em pagamentos de despesas com defensores, advogados, ajuda para trancas, cesta básica, ajuda financeira para os familiares que perderam a vida em prol a nossa causa, transporte para cadeirantes, ou auxílio para doentes com custo de remédio, cirurgia e atendimentos médicos particulares, principalmente na estruturas da luta contra os nossos inimigos, entre várias situações que fortalecem a nossa causa ou seja o crime fortalece o crime, essa é a nossa ideologia.

8- Item:
Os integrantes que estiverem na rua e passando por algum tipo de dificuldade, poderão procurar a Sintonia para que o Comando possa ajuda-lo ir para o corre, deixando claro que o intuito da organização e fortalecer todos os seus integrantes, para que cada um tenha Condições de se empenhar também no progresso do Comando e assim nossos objetivos serem atingidos com total êxito.

9 Item:
Todos os integrantes devem ter a certeza absoluta que querem fazer parte do Comando, pois aquele que usufrui dos benefícios que o Comando conquistou e pedir pra sair pelo fato da sua liberdade estar próxima ou até mesmo aquele que sair para a rua e demonstrar desinteresse por nossa causa, serão avaliados e se constatado que o mesmo agiu de oportunismo o mesmo poderá ser visto como traidor, tendo atitude covarde e o preço da traição é a morte.

10 Item:
Deixamos claro que a Sintonia Final é uma fase da hierarquia do Comando composta por integrantes que tenham sido indicados e aprovados pelos irmãos que fazem parte da Sintonia Final do Comando. Existem várias Sintonias, sendo a Sintonia Final a última instância. O objetivos da Sintonia Final é lutar pelos nossos ideais e pelo crescimento da nossa Organização.


11 Item:
Toda missão destinada deve ser concluída. Será feita uma avaliação da capacidade de cada integrante indicado pela Sintonia, e aquele que for selecionado e aprovado tem capacidade de cumprir uma missão, e tem o dever de arcar com as despesas financeira, mas quando for possível todos os gastos ficarão sob a responsabilidade do Comando. Essas missões incluem principalmente ações de resgate e outras operações restritas ao Comando. Todos aqueles que vierem a ser resgatados, terão a obrigação de resgatar outro irmão, aquele irmão que falhar na missão por fraqueza, deslealdade, será excluído e o caso será avaliado pela sintonia, no caso de vazar as idéias poderá ser caracterizado como traição e a cobrança será a morte.

12 Item:
O Comando não tem limite territorial, todos os integrantes que forem batizados são componentes do Primeiro Comando da Capital, independente da cidade, estado ou país, todos devem seguir a nossa disciplina e hierarquia do nosso Estatuto.

13 Item:
O Comando não tem nenhuma coligação com nenhuma outra facção, vivemos em harmonia com facções de outros estados, quando algum integrante de outra facção chegar em alguma cadeia nossa o mesmo será tratado com respeito e terá o apoio necessário, porém queremos o mesmo tratamento quando o integrante do Comando chegar preso em outro estado em cadeias de outras facções e se algum integrante de outra facção de outro estado desrespeitar a nossa disciplina em nossa cadeia vamos procurar a Sintonia responsável pelo mesmo e juntos procurarmos a solução e se ocorrer de um irmão nosso estar desrespeitando, a busca da solução será da mesma forma. Deixamos bem claro que isso se trata de facções de outro estado que seja amiga do Comando.

14 Item:
Todos os integrantes serão tratados com igualdade, sendo que a nossa luta é constante e permanente, seus méritos e atitudes serão avaliadas dando prioridade para aquele que merece, esclarecendo que méritos não é sinônimo de acomodações e impunidade diante da nossa luta, tratando com igualdade para os iguais e desigualdade para os desiguais.

15 Item:
Os ideais do Comando estão acima dos conflitos pessoais, no entanto o Comando será solidário com aquele integrante que esteja certo e em desvantagem para resolver os seus problemas pessoais, o apoio será prestado, a causa será prestado, a causa será aprovada, após a avaliação direta da Sintonia.

16 Item:
É inadmissível usar o Comando para ter benefício próprio. Se algum integrante vier a subfaturar algo para ganhar dinheiro em cima do Comando, agindo com esperteza em benefício próprio, será analisado pela Sintonia e após ser comprovado os superfaturamento o mesmo será excluído e decretado. Nenhum integrante poderá usufruir do contato do Comando para transações comerciais ou particulares sem o conhecimento da Sintonia, os irmãos que investir o capital em mercadoria ou ferramentas para negociar, podem fazer negócio com a Família e obterem seu lucro desde que não seja abusivos, pois todo o fruto desse trabalho é destinado aos necessitados em prol a nossa ideologia.

17 Item:
O integrante que vier a sair da Organização e fazer parte de outra facção caguetando algo relacionado ao Comando será decretado e aquele que vier a mexer com a nossa família terá a sua família exterminada. O Comando nunca mexeu com a família de ninguém e tais não terão paz. Ninguém é obrigado a permanecer no Comando, mas o Comando não vai ser tirado por ninguém.

18 Item:
Todos os integrantes tem o dever de agir com severidade em cima de opressões, assassinatos e covardias realizados por Policiais Militares e contra a máquina opressora, extermínios de vidas, extorsões que forem comprovadas, se estiver ocorrendo na rua ou nas cadeias por parte dos nossos inimigos, daremos uma resposta a altura do crime. Se alguma vida for tirada com esses mecanismos pelos nossos inimigos, os integrantes do Comando que estiverem cadastrados na quebrada do ocorrido deverão se unir e dar o mesmo tratamento que eles merecem, vida se paga com vida e sangue se paga com sangue.

Fonte: aconteceuemitu

 

 

Mais artigos...

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    IMG 20170821 WA0024  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web