jornalista1

Polícia de MG investiga esquartejamento de mulher; filho é suspeito

Polícia de MG investiga morte de mulher que teve o corpo esquartejado - Getty Images/iStockphoto A Polícia Civil de Minas Gerais informou hoje que instaurou inquérito para investigar a morte de uma mulher de 52 anos que foi esquartejada e teve partes do corpo deixadas numa mala, no bairro Canaã, limite entre Belo Horizonte e Santa Luzia. O principal suspeito de ter assassinado e cortado a vítima em vários pedaços é um de seus filhos, de 30 anos, que morava com ela e faz tratamento por conta de transtornos psiquiátricos.

O homem foi preso em flagrante ontem, dentro de uma igreja, no momento em que rezava. O suspeito estava muito confuso — não se sabe se por uso de entorpecentes, remédios ou por alteração em seu estado mental —, e não foi possível obter mais claramente, em um primeiro momento, informações de como o crime ocorreu, de acordo com a polícia.

Segundo a delegada Adriana Rosa, titular da investigação, relatos de testemunhas e o histórico de brigas entre mãe e filho levam a crer que o filho matou a mulher.

O homem está detido no Ceresp Gameleira, em Belo Horizonte.

Carreto contratado para levar o corpo

A delegada Adriana Rosa disse em entrevista coletiva na tarde de hoje que a polícia foi chamada ao local assim que o corpo, em vários pedaços, foi localizado dentro de uma mala. A cabeça e algumas vísceras ainda não foram encontradas.

Com imagens de câmeras de segurança e o relato de uma testemunha ocular, descobriu-se que uma Saveiro foi usada para descartar a mala e ainda outros objetos. O dono do veículo, habituado a fazer carretos, disse aos investigadores que tinha sido contratado por R$ 50 pelo filho da vítima para transportar os objetos e a mala, que foram colocados na caçamba pelo próprio suspeito.

Adriana Rosa - Reprodução - Reprodução
Adriana Rosa, delegada de Homicídios e Proteção a Pessoa de Santa Luzia (MG), em entrevista coletiva virtual

Imagem: Reprodução

Junto com esses objetos foi encontrado um papel com o nome da mulher, mas só foi possível identificá-la oficialmente pela digital.

"O autor [do crime] estava meio confuso, não tinha falas conexas, não se sabe se por efeito de drogas ou de remédios, ou por um estado de confusão mental. Ele estava em tratamento", afirma Rosa. "Não se tinha notícias de violência, mas atritos eram muito frequentes com a mãe."

A delegada informou que o homem chegou a ir a uma consulta psiquiátrica após o crime, onde permaneceu por duas horas, mas não mencionou o caso.

Além do filho, também morava com a mulher seu companheiro, mas ele estava fora da cidade a trabalho.

O prazo para a conclusão da investigação é de dez dias.

Fonte: UOL

Comentar

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                   

www.impactocarcerario.com.brblogimpakto  acervo         jornalismoinvestigativo   procurados

Desenvolvido por: ClauBarros Web