jornalista1

Polícia Civil mira PM que atua como chefe de milícia em bairros das zonas Oeste e Norte do Rio

Polícia Civil tem agentes em bairros das zonas Norte e Oeste do Rio nesta segunda-feira para desarticular quadrilha de milicianos A Polícia Civil deflagrou na manhã desta segunda-feira uma ação para prender dois integrantes de uma milícia que “age com extrema violência”, de acordo com a corporação, em bairros das zonas Norte e Oeste do Rio. Entre os alvos da ação, intitulada Operação Barbárie, está um policial militar. O agente seria o chefe do bando.

Ao todo estão sendo cumpridos dois mandados de prisão e seis de busca e apreensão. De acordo com a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco-IE), a quadrilha atua nos bairros Taquara, Guaratiba e Praça Seca, na Zona Oeste, e em Rocha Miranda, na Zona Norte. Até agora dois homens foram presos: O PM Eduardo Maia Rodrigues, vulgo Magrinho, apontado como o chefe do Bonde do Magrinho; e Cristiano Jorge Braga Sanches, chamado de Tazinho. O agente, segundo os investigadores, é lotado no 41º BPM (Irajá).

Questionado se era miliciano, Eduardo limitou-se a dizer: “não sou”.

Durante as investigações, a Draco apurou que os milicianos são agressivos. Entre as práticas estão espancamentos, torturas, violência sexual e até homicídios. Para reafirmar as agressões, os milicianos gravavam as torturas praticadas pelo próprio PM. Em outras imagens obtidas pelo EXTRA, o militar agride a golpes com uma madeira um homem nu em uma mata. Em outra agressão, o paramilitar aparece abusando de uma mulher.

Segundo a Draco, “membros do grupo são investigados pelos crimes de extorsão, estupro, roubo e associação criminosa”.

Durante operação, polícia apreendeu armas, celulares, dinheiro, munição, relógios e rádios

Durante operação, polícia apreendeu armas, celulares, dinheiro, munição, relógios e rádios Foto: Reprodução

De acordo com o delegado William de Medeiros Pena Junior, titular da delegacia especializada, “a ação foi batizada de 'barbárie' porque o grupo de milicianos age com extrema violência e humilhação contra as vítimas para obtenção de lucro advindo com a prática de extorsão. Além das sessões de espancamento que as vítimas sofreram, também foi praticada violência sexual contra uma delas”.

Dão apoio à ação, agentes da Corregedoria da Polícia Militar.

Os mandados estão sendo cumpridas nos bairros Taquara, Rocha Miranda, Praça Seca e Guaratiba.

Fonte:https://extra.globo.com/

Perseguido pelas polícias do DF e de Goiás se diz possuído por "demônio"

3 Uma força tarefa de mais de 200 agentes das polícias federal, rodoviária, civil, e militar de duas unidades da federação procura há mais de dois dias, em Brasília e nos arredores da capital, um foragido de 32 anos condenado por homicídio e estupro e suspeito de mais quatro assassinatos recentes. Pelas informações obtidas pelos investigadores, o homem se diz perseguido por uma espécie de "demônio" ou "espírito". As buscas começaram na quarta-feira (9), mas ganharam reforço no sábado.

O suspeito é Lázaro Barbosa de Sousa, dono de extensa ficha criminal que inclui uma condenação por homicídio na Bahia; um mandado de prisão decorrente de uma condenação por estupro e roubo com arma de fogo em Brasília; além da suspeita de um ataque com golpes de machado na cabeça de idosos em Goiás. Ele já foi preso, mas fugiu.

Relacionadas

Na semana passada, segundo a polícia, ele ampliou essa lista com o assassinato de quatro pessoas de uma mesma família na zona rural do Incra 9, no Distrito Federal. O novo crime chamou a atenção das autoridades, e Sousa passou a ser "caçado".

"Livro místico"

Em mensagens trocadas entre policiais da força-tarefa e obtidas pelo UOL, um investigador disse aos colegas que o criminoso anda com um "livro místico" que lhe garantiria "proteção espiritual". Por isso, afirmou o policial, só poderia ser pego com auxílio de cães ou cavalos.

O tenente Gérson de Paula, da PM de Goiás, disse ao site Metrópoles que o suspeito faz parte de uma "seita", e que alega ser possuído por um espírito ou um demônio. O criminoso teria dito que "vai levar o tanto de gente que puder", segundo o militar relatou ao site. A assessoria da Secretaria de Segurança Pública de Goiás disse ao UOL que não poderia confirmar os detalhes contados por Paula.

O tenente-coronel Dalbian Rodrigues, da assessoria de comunicação da PM de Goiás, disse à reportagem que realmente foi localizado uma espécie de "altar" em que Sousa faria "rituais espiritualistas" numa casa utilizada por ele. O imóvel fica em Cocalzinho (GO), no entorno de Brasília, onde o suspeito se escondeu por algumas horas ou até um dia, pelas estimativas dos investigadores.

Dalbian explicou que a prisão e o interrogatório de Sousa são importantes para esclarecer se, eventualmente, os rituais têm relação com os assassinatos atribuídos ao procurado.

Após a prisão dele vai ficar claro se ele tem isso como prática e se isso teve influência nos crimes que ele cometeu"
Dalbian Rodrigues, assessor da PM de Goiás

A Polícia Civil de Goiás divulgou ontem nova fotografia do suspeito, na qual ele aparece mais gordo e com os cabelos mais curtos do que nas imagens distribuídas na semana passada, que eram datadas de 2018.

Sousa respondeu processo por homicídio aos 20 anos

Lázaro Sousa nasceu em 1988. Em agosto, completará 33 anos. É natural de Barra do Mendes (BA), 530 quilômetros a oeste de Salvador. A cidade fica na região de Irecê.

Quando tinha 20 anos, foi aberto um processo criminal na cidade natal dele por assassinato, crime pelo qual foi condenado. Segundo o mandado de prisão em aberto, o ato ocorreu com o agravante legal de "traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido".

Em 2011, passou a responder a um processo criminal em Brasília. A 19ª Delegacia de Polícia, de Ceilândia, havia aberto um inquérito contra ele. Sousa foi condenado pela Justiça por estupro e roubo com emprego de arma de fogo. Segundo o mandado de prisão aberto, a punição foi agravada porque ele restringiu a liberdade da vítima.

Já foi preso, mas fugiu

Sousa ficou foragido desde então. Mas, em março de 2018, foi preso em Águas Lindas (GO), pela Polícia Civil de Goiás. No entanto, fugiu poucos meses depois. Em agosto daquele ano, a Vara de Execuções Penais emitiu novo mandado de prisão.

Solto, ele cometeu mais crimes, de acordo com a polícia. Em uma noite de abril de 2020, entrou numa chácara em Santo Antônio do Descoberto, no entorno de Brasília. Quatro idosos moravam lá. Sousa agrediu-os, chegando a dar uma machada na cabeça de um deles, de acordo com a Polícia Civil de Goiás. Os ferimentos permanecem até hoje, segundo a polícia informou nesta segunda-feira (14).

Na ocasião, roubou bens dos moradores, como telefones celulares, recuperados depois. Sousa foi indiciado por tentativa de latrocínio e por roubo mediante restrição da liberdade das vítimas e com uso de arma branca.

Família toda foi morta em Ceilândia

A perseguição atual a Lázaro Sousa, porém, começou a partir de um crime cometido na madrugada da quarta-feira passada (9), na zona rural conhecida como Incra 9, em Ceilândia, no Distrito Federal. Quatro pessoas foram mortas.

A Polícia Civil do DF diz que Sousa é o suspeito de matar o empresário Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, e os filhos dele, Carlos Eduardo Marques Vidal, 15, e Gustavo Marques Vidal, 21. Eles foram encontrados mortos na chácara. A mulher de Vidal, Cleonice Marques, 43, foi sequestrada. Seu corpo só foi encontrado na tarde de sábado.

Também no fim de semana, os policiais obtiveram informações de que Sousa estaria em Cocalzinho, 110 quilômetros a oeste de Brasília.

Tentou atear fogo em casa

Lá, segundo a Polícia Militar do Distrito Distrito Federal, Sousa entrou numa fazenda que pertencia a familiares de um soldado da corporação.

O criminoso (...) quebrou tudo na propriedade, bebeu e fumou maconha. Obrigou o caseiro a fumar também"
Nota da PM do Distrito Federal

Com a chegada do policial ao local, ele fugiu, levando o caseiro como refém.

Dali, Sousa entrou em outra propriedade rural para se esconder. Segundo a polícia, "baleou três homens" da fazenda e tentou atear fogo na propriedade. "As testemunhas disseram que o criminoso ia colocar fogo na casa e não o fez por conta da mulher e de uma criança", continua a nota da PM de Brasília.

Uma guarnição da PM de Goiás chegou a ir ao local. Sousa disparou 15 vezes contra eles, de acordo com a polícia do DF. Na sequência, ele fugiu para uma mata.

14.jun.2021 - Polícia diz que Lázaro Sousa roubou um Corsa vermelho, mas fugiu do carro e entrou numa mata ao perceber a barreira policial na estrada - Reprodução/UOL - Reprodução/UOL

Sousa roubou um carro, mas o abandonou e fugiu para mata

Imagem: Reprodução/UOL

Foi feito um cerco policial nas 17 fazendas da região durante a noite de sábado e durante todo o domingo (13). Sousa se escondeu em algum imóvel em Cocalzinho no período, diz a Polícia Militar goiana. E, depois, roubou um Corsa vermelho. Ao ser parado numa barreira policial na estrada, Sousa fugiu novamente para a mata.

Polícia faz buscas dentro e fora de Brasília

O comandante do 17º Batalhão da PM em Águas Lindas (GO), major Wender Araújo, informou na segunda-feira (14) que as buscas não se limitam ao entorno de Brasília. Segundo vídeo distribuído em redes sociais por ele, até mesmo em Ceilândia, onde aconteceram os crimes da semana passada, a força-tarefa de agentes de várias corporações busca rastros do suspeito.

Estamos trabalhando incessantemente para localizar o suspeito Lázaro. São patrulhamentos, bloqueios e abordagens tanto na área rural quanto urbana"
Wender Araújo, major da PM de Goiás

Serviço
Quem tiver informações sobre Lázaro Sousa pode prestá-las ao Disque-denúncia 197 e ou nos telefones da delegacia de Santo Antônio do Descoberto (GO): (61) 3626-0421 e (61) 3626-0289.

Fonte: https://noticias.uol.com.br

PF DE CURITIBA PRENDE SUSPEITO DE MATAR POLICIAL EM MOSSORÓ (RN)

O homem tem 43 anos e estava morando na capital paranaense, utilizando nome falso.

PF de Curitiba prende suspeito de matar policial em Mossoró (RN)A Polícia Federal (PF) prendeu na tarde desta terça-feira (8), em Curitiba, o homem suspeito de assassinar o policial penal federal Henri Charlie Gama e Silva. O crime aconteceu em Mossoró (RN), em abril de 2017.

O acusado estaria vivendo com nome falso na capital paranaense. Na operação foram mobilizados policiais federais de BrasíliaMossoró Curitiba visando dar cumprimento ao mandado de prisão preventiva expedido pela 8ª Vara Federal de Mossoró.

Henri Charlie estava em um bar próximo à sua residência, quando um homem desceu de um veículo e atirou em sua direção. O policial foi atingido pelas costas e mesmo tentando correr, o criminoso o alcançou e terminou de executá-lo. A ação foi feita por uma facção criminosa paulista e contou com a infiltração de uma empregada doméstica na residência da vítima.

Fonte: https://ricmais.com.br/noticias/seguranca/pf-de-curitiba-prende-suspeito-de-matar-policial-em-mossoro-rn/

Comando Vermelho oferece R$ 100 mil por cabeça de vereador de Manaus

 Na manhã desta segunda-feira (7/6), em live realizada em seu instagram, um dos vereadores de Manaus, Capitão Carpê, afirmou que membros do Comando Vermelho ofereceram R$ 100 mil por sua cabeça.

Um recado com ameaça foi encontrado no local que funcionava como gabinete do vereador na época das eleições.

Fonte: https://www.metropoles.com

PF prende 5 em operação contra tráfico internacional de armas

Polícia Federal faz operação contra tráfico de armas, na Rocinha Investigações começaram em 2019, com apreensões de carregadores de fuzis dentro de pneus.

A Polícia Federal (PF) prendeu nesta terça-feira (1º) cinco pessoas na Operação Pneu de Ferro, contra o tráfico internacional de armas. Quatro suspeitos foram presos em São Paulo, e um em Orlando, nos Estados Unidos.

Ao todo, a 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro expediu cinco mandados de prisão e sete de busca e apreensão. A ação foi comandada pela Delegacia do Aeroporto Internacional do Rio.

Confira abaixo o balanço das apreensões:

  • Nove veículos
  • Centenas de munições de pistolas e fuzis
  • Duas armas de fogo
  • Joias
  • Relógios de luxo
  • Cartões de créditos
  • Passaportes
  • Cerca de R$ 20 mil em espécie

Até a última atualização desta reportagem, os presos ainda não haviam sido identificados. O alvo no Rio, um traficante da Rocinha, não foi encontrado.

A investigação começou com a interceptação de munição para o Primeiro Comando da Capital (PCC).

Polícia Federal cumpre mandados na Rocinha, em São Conrado, na manhã desta terça-feira (1°) — Foto: Reprodução / TV Globo

Veículo de luxo apreendido

Veículo de luxo é apreendido em operação da PF — Foto: Reprodução

Em São Paulo, no bairro Vila Regente Feijó, um veículo de luxo foi apreendido na residência de um dos alvos.

Foi encontrado um Porsche Panamera 4S, que pode custar até R$ 720 mil.

Munição em pneu

As investigações começaram em 2019, com apreensões de carregadores de fuzis e acessórios de arma de fogo realizadas no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão). Os pentes estavam escondidos em um pneu.

Os policiais identificaram que os materiais apreendidos eram enviados, via postal, das cidades de Kissimme, Orlando e Tucson, nos Estados Unidos, e tinham como destino facções criminosas de atuação nacional.

Carregadores encontrados em pneus no Galeão: apreensão deu início à investigação — Foto: Reprodução/PF

A PF contou com o apoio da Receita Federal e com a Agência de Investigações de Segurança Interna dos EUA (ICE Homeland Security Investigations), através de seus adidos na Embaixada dos EUA, em Brasília, e nas cidades de Tucson e Miami, nos EUA.

“A cooperação policial internacional entre o Brasil e os EUA foi fundamental para a obtenção de informações das atividades ilícitas perpetradas pela organização criminosa”, informou a PF, em nota.

Fonte: https://g1.globo.com

Mais artigos...

vetenuo

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

bannerdisponivel

Impakto nas Redes Sociais

                                  Saiba os benefícios de usar o LinkedIn para a sua vida profissional - IFS -  Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe 

blogimpakto  acervo         jornalismoinvestigativo   fundobrasil   Monitor da Violência – NEV USP   Capa do livro: Prova e o Ônus da Prova - No Direito Processual Constitucional Civil, no Direito do Consumidor, na Responsabilidade Médica, no Direito Empresarial e Direitos Reflexos, com apoio da Análise Econômica do Direito (AED) - 3ª Edição - Revista, Atualizada e Ampliada, João Carlos Adalberto Zolandeck

procurados

Desenvolvido por: ClauBarros Web