JORNALISTAMINI

Prisão de suspeito desvenda como funcionava o "tribunal do crime" do PCC na zona leste de SP

np1210A prisão na terça-feira em São Paulo de um homem apontado como o responsável por coordenar os chamados "tribunais do crime" da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) na região leste da cidade trouxe mais informações para a polícia sobre como funcionam os julgamentos ilegais praticados pela facção.

Mas o que são e como funcionam esses tribunais ilegais que funcionam com estrutura semelhante à de um júri popular?

Segundo a polícia, esses julgamentos ilegais são geralmente realizados para avaliar condutas de membros da facção ou de pessoas que vivem em sua área de influência.

Eles são acusados pelos criminosos de violar as regras do grupo, são "julgados" e então perdoados ou condenados -- sendo que a punição mais comum é a pena de morte.

Um criminoso pode ser punido, por exemplo, se cometer um assassinato não autorizado pelo PCC ou se trair outro integrante da organização. 

"Na prática, o chamado "tribunal" pode ser acionado para atuar na solução de conflitos entre inimigos ou entre integrantes da própria facção. Sempre que alguém infringir qualquer uma de suas regras (do PCC), assim definidas no chamado estatuto ou mesmo em algumas regras do chamado usos e costumes", afirmou o delegado Fabiano Fonseca Barbeiro, do Deic (Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado).

"Juiz"

Fabiano Costa de Oliveira, 35, conhecido no mundo do crime como Haole, estava foragido desde maio deste ano quando a Justiça decretou sua prisão. Contra ele havia mandados de prisões expedidos nas cidades de Cerquilho, Franco da Rocha e Guarulhos -- por crimes como roubo e tráfico de drogas. Pego de surpresa, ele não esboçou reação, nem tentou reagir. 

A reportagem tentou falar com Oliveira para perguntar sobre as acusações, mas ele já estava sob custódia da polícia e incomunicável. Seus advogados de defesa também não foram identificados até o fechamento dessa reportagem. 

Segundo a polícia ele teria o cargo de "sintonia final de cadastro" da zona leste.

A prisão ocorreu durante investigações da 6ª Delegacia de Patrimônio do Deic. Para o delegado Barbeiro, à frente das investigações, a prisão de Oliveira poderá ajudar a debilitar a estrutura da facção criminosa na zona leste.

"Este criminoso tem 35 anos e algumas passagens criminais pela prática de crimes de lavagem de dinheiro, estelionato, e roubos", afirmou Barbeiro ao UOL

Ainda de acordo com Barbeiro, "este indivíduo é considerado de alta periculosidade, não só por seus antecedentes criminais, mas também por conta de seu papel dentro da organização criminosa que integra."

Cemitérios clandestinos

A polícia afirmou que há investigações sobre outros "tribunais do crime". "Recentemente, conseguimos interceptar um chamado 'tribunal do crime' em que a 'audiência' estava em pleno andamento, na região da zona leste, onde uma mulher estava prestes a receber sua 'pena'", informou o delegado.

Policiais que investigam o crime organizado pedem que a população faça denúncias quando suspeitarem de algo que tenha relação com o PCC. "Qualquer pessoa que tenha suspeita ou conhecimento da existência de alguma situação desta ou algo parecido que, por favor, entre em contato com nossa delegacia, através do telefone 2221-0300", pede o delegado Barbeiro.

Assim que são condenados pelo júri formado pelos criminosos da facção criminosa, o homem que está no cargo de "sintonia final de cadastro" sentencia a morte do réu. Após o assassinato, o corpo é enterrado em um dos vários cemitérios clandestinos utilizados pelo PCC no Estado.

Na última segunda-feira (9), a Polícia Civil identificou um desses cemitérios em Mauá, na Grande São Paulo. Lá, quatro pessoas, mortas após um "tribunal do crime" realizado em 27 de setembro deste ano, estavam enterradas. Eram três homens e uma mulher.

Segundo o Deic, Oliveira, detido nesta terça-feira, não tinha ligação com o cemitério clandestino identificado em Mauá.

A polícia suspeita que possa haver mais corpos enterrados na região.

De acordo com o delegado Antonio José Pereira, titular da 1ª Delegacia de Latrocínios do Deic, e que coordenou a investigação que descobriu o cemitério na segunda-feira, "não há dúvidas sobre a existência de outros locais para desova (de corpos). Sempre que tomamos conhecimento, providências são tomadas", afirmou ao UOL.

Fonte: uol

Agente penitenciário é preso após tentar entrar com celulares escondidos na PEP II

Servidor concursado estava no quadro efetivo do sistema penitenciário desde 2008

np0910Um agente penitenciário de 46 anosfoi preso após tentar entrar comdois celularesescondidos naPenitenciária Estadual de Piraquara (PEP) II, na região metropolitana de Curitiba, na tarde desta quinta-feira (5). Os aparelhos estavam dentro de um rádio portátil, que o servidor recusou a passar pelo raio-x.

Segundo informações do Departamento Penitenciário (Depen), assim que o agente foi descoberto, a polícia e os seguranças foram chamados, para detê-lo e encaminhá-lo à delegacia de Piraquara.

O funcionário, que não teve o nome divulgado, é concursado e estava no quadro efetivo desde 2008. Ele não tinha passagens e não respondeu por nenhum processo administrativo anteriormente.

A Corregedoria do Depen e a Polícia Civil devem investigar o caso.

Fonte: BandaB

Traficante líder de facção criminosa com atuação nacional é capturado

Suspeito é investigado por ataques a delegacias, carros da polícia e tráfico de drogas. Investigação do Gaeco continua.

 

np0610Um homem apontado como um dos maiores traficantes de drogas do Ceará foi preso nesta sexta-feira (21) durante uma operação conjunta de agentes do Ministério Público do Ceará (MPCE), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), e da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

Conforme o Ministério Público do Ceará (MPCE), o traficante foi capturado por força de um mandado de prisão preventiva. Com ele, foi apreendida uma pistola calibre 380 e documentos falsos.

 

Miguel Sales da Silva, mais conhecido como “Miguel Oião”, já havia sido preso anteriormente por tráfico de drogas e foi apontado, na ocasião, como mandante de ataques a delegacias e carros da polícia. Ele é apontado com um dos líderes de uma facção criminosa com atuação nacional.

 

Investigações do MPCE apontaram também que o preso planejava assassinar agentes penitenciários da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado do Ceará (SEJUS).

 

O Ministério Público do Ceará informou que as investigações e buscas estão sendo realizadas em outros endereços do traficante para tentar localizar indícios do crime e outros suspeitos.

Fonte: G1

 

 

 

 

 

 
 

 

 

 

Líder comunitário e PMs são alvo de operação contra grilagem e tráfico

De acordo com a Polícia Civil, Alisson Borges fracionava as terras e as vendia com auxílio dos militares no Pôr do Sol, em Ceilândia

amospsabreA Polícia Civil do Distrito Federal fez, na manhã desta quinta-feira (28/9), megaoperação para desarticular uma organização criminosa que atuava no parcelamento irregular do solo e tráfico de drogas na região do Pôr do Sol, em Ceilândia. Entre os alvos, estão o líder comunitário Alisson Borges, três policiais militares e um servidor da administração regional da cidade, que foram presos.

De acordo com a investigação, Alisson Borges fracionava as terras e as vendia com auxílio dos militares. Estão sendo cumpridos nove mandados de prisão temporária e outros nove de busca e apreensão. A operação foi batizada de Confraria. Até as 8h, nove pessoas haviam sido presas, mais um suspeito detido em flagrante.

Após meses de interceptação telefônica, a polícia conseguiu identificar a ação criminosa do líder comunitário, que é ligado a diversos políticos do Distrito Federal. Influente na região, Alisson Borges andava sempre ao lado de seguranças armados e em carros de luxo.

De acordo com a polícia, Alisson Borges, além de vender terras irregulares, distribuía manuais para as pessoas que compravam os lotes, com instruções sobre como construir os imóveis e se estabelecerem nos locais. Ele é presidente da Associação dos Moradores do Pôr do Sol (Amosps). A investigação está a cargo da 23ª Delegacia de Polícia, mas a operação conta com a participação de outras unidades da PCDF.

Perigosos, eles alegavam que tinham influência política e, quando desconfiaram da investigação, chegaram a dizer que colocariam “no bolso” o delegado-chefe da 23ª DP, Victor Dan, insinuando que o policial não seria capaz de prendê-los.

Por medidas de segurança, os presos foram encaminhados para delegacias de outra região administrativa do DF. A polícia usou cães farejadores para realizar as buscas.

Situado ao sul da maior e mais populosa cidade do Distrito Federal, Ceilândia, o Condomínio Pôr do Sol é uma área habitacional carente de infraestrutura, que enfrenta problemas típicos de regiões que cresceram devido à ocupação desordenada do solo.

Fonte: metropoles.com

Gaeco cumpre mandados de busca e apreensão contas agentes penitenciários em MS

De acordo com o Gaeco, todos os seis mandados são em Dourados. Cinco deles contra agentes.

 presidiodouradosO Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), faz nesta sexta-feira (22), operação para cumprir seis mandados de busca e apreensão. 

De acordo com o Gaeco, o foco da operação Fraus é o Presídio Estadual de Dourados. Cinco agentes penitenciários são alvos. A ação integra investigação sobre peculato e organização criminosa. 

Em nota, a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) informou que está acompanhando a operação e destacou que as investigações não envolvem a administração atual da penitenciária e que todo suporte necessário para as apurações está sendo dado. 

Segundo a Agepen, um servidor foi conduzido à delegacia para prestar esclarecimento por ter em sua posse munições de origem estrangeira. Ele foi ouvido e liberado em seguida. 

A Agepn ressaltou que apoia qualquer ação que traga transparência e coíba atos irregulares ou de natureza criminosa por parte dos seus servidores, no sentido de punir quem é culpado, caso isso se comprove, e valorizar quem trabalha corretamente. 

Fonte: G1

Mais artigos...

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    IMG 20170821 WA0024banner tek       jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web