JORNALISTAMINI

Marcelo Piloto enviou mais de mil armas para favelas do Rio, afirma polícia

Primeira metralhadora .50, capaz de derrubar helicópteros, foi contrabandeada por ele, segundo investigação. Piloto foi preso nesta quarta-feira no Paraguai e Brasil tenta extradição.

np1412A polícia acredita que Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o Marcelo Piloto, tenha enviado mais de mil armas para favelas do Rio. Ele foi preso nesta quarta-feira (13) acusado de ter abastecido de armas e drogas comunidades dominadas por uma das principais facções criminosas da cidade.

A primeira metralhadora .50 apreendida no Rio chegou à cidade por intermédio de Marcelo Piloto. A arma foi encontrada em 2015, no Complexo do Chapadão. Ele tinha contatos com traficantes internacionais na Colômbia, na Bolívia e no Paraguai. E mandava dezenas de carregamentos todos os meses para o Rio.

A polícia investiga a existência de outro armamento do mesmo calibre na Favela do Jacarezinho. E o responsável também seria Marcelo Piloto. No Rio o bandido controlou o tráfico de drogas em comunidades do Complexo de Manguinhos, na Zona Norte.

Além disso, segundo as investigações, Marcelo Piloto participou de ações violentas, como arrastões e ataques a Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Em 2012, ele ajudou a resgatar um preso na delegacia do Engenho Novo.

A ação foi resultado de um trabalho conjunto entre a Subsecretaria de Inteligência do Rio, a Polícia Federal brasileira no Paraguai, a agência anti-drogas paraguaia e a agência de combate às drogas dos Estados Unidos.

Marcelo piloto estava foragido havia 10 anos. Em 2007, a Justiça autorizou o traficante a entrar no Programa de Visitas Periódicas ao Lar. Ele foi para casa e não voltou para o presídio. Marcelo Piloto tem condenação por tráfico, roubo, homicídio e formação de quadrilha.

Os policiais afirmam que Marcelo Piloto vivia com conforto no Paraguai, mas não ostentava luxo para não chamar atenção. A casa dele tinha cerca elétrica e câmeras de monitoramento. Ele tinha documentos brasileiros e paraguaios falsos. Assumiu a identidade de Marcos Lopes Correia.

Passeio de lancha

No momento da prisão, o traficante estava ao lado de três mulheres. Uma delas, Rachel de Souza Moraes, também era foragida. Tinha mandado de prisão por tráfico de drogas.

Com elas, Marcelo Piloto se divertiu muito esta semana. Alugou uma lancha em Cidad Del Leste para fazer um passeio pelo Rio Paraná.

O traficante ainda não será trazido para o Rio. Primeiro, terá que acertar as contas com a Justiça paraguaia, já que na casa dele foram encontradas duas pistolas. A Secretaria de Segurança vai pedir a inclusão do nome dele na lista vermelha da Interpol, o que pode agilizar o processo de extradição do preso.

“É importante que ele venha para o Brasil e, se vier ao Rio de Janeiro, eu vou pedir imediatamente que ele cumpra pena em regime federal. Mas a gente precisa ter acesso a ele para algumas oitivas e até mesmo para cumprir outros mandados de prisão de crimes que ele possa estar sendo investigado e a gente cheque a autoria sendo dele. Então, é mais fácil cumprir esse outro mandado de prisão aqui no Brasil”, disse o secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Sá. 

Fonte: G1

Comentar

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    IMG 20170821 WA0024  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web