juarezjornalista

"Em 18 anos, eu vi o sistema prisional mudar", diz socióloga que estuda o PCC

e1308Ela é socióloga, professora, pesquisadora, escritora e uma das principais especialistas no sistema penitenciário brasileiro -- o que inclui profundo conhecimento sobre a guerra de facções no país. Doutora em sociologia, Camila Nunes Dias, 41, se dedica a destrinchar um ambiente em que machismo, violência e crimes são temas constantes.

Professora na UFABC (Universidade Federal do ABC, em SP) e colaboradora do NEV (Núcleo de Estudos da Violência), da USP, Camila teve o primeiro contato com o universo do sistema prisional em 2000, quando foi ser voluntária na Casa de Detenção, no Complexo do Carandiru, zona norte da capital. O PCC já existia, mas ela "nem ligava muito". Mas a facção criminosa se tornaria, nos anos seguintes, um dos pilares de seu trabalho como pesquisadora.

Depois de se dedicar às pesquisas sobre presos evangélicos, "apareceu o PCC", ao tratar da regulação das prisões. O doutorado, em 2007, já foi todo dedicado a desvendar expansão e consolidação da dominação do PCC no sistema carcerário em São Paulo.

"Eu vi como o sistema prisional foi mudando", conta ela. "Em 2000, eu entrava na Casa de Detenção sozinha, com os presos juntos, no banho de sol, que era o dia inteiro. Lembro de me perder às vezes vezes para chegar até o pavilhão em que eu precisava ir", lembra. Depois de visitar com frequência cinco prisões no estado, ela conta que não existe mais essa circulação de pessoas de fora em meio aos presos. "Há cada vez mais um fosso entre quem está dentro e quem está fora. Isso, em boa parte, é resultado da atuação das facções", afirma.

Para ela, ser mulher "ajuda muito mais do que atrapalha" nas pesquisas desenvolvidas no sistema penitenciário brasileiro, mesmo num ambiente predominantemente ocupado por homens e "repleto de machismo". No entanto, Camila diz que houve "pouquíssimas" vezes em que se deparou com casos de assédio.

Em uma delas, um preso perguntou: "Você quer só uma entrevista mesmo, não quer mais nada?". A socióloga respondeu que não e foi respeitada. "Ele [preso] está dentro de uma ética em que sabe a que está sujeito. Ele não pode transgredir", afirma.

Camila diz que, quando vai entrevistar um preso, um agente penitenciário ou um policial, muitos deles falam: "Ah, é mulher, vamos explicar para ela como é". "Tem essa coisa meio paternalista de 'vou explicar para ela o que é o crime, falar o que é a prisão', enfim. Isso acaba facilitando, porque a gente quer que as pessoas falem mesmo", diz a socióloga.

Por conta desse machismo, que está muito presente nesses espaços, facilita. É você deixar o outro explicar aquilo que você não sabe."

Camila Nunes Dias

Um outro caso desconfortável pelo qual ela passou na carreira foi numa cidade do interior, com um agente a convidou para uma cerveja. "Eu fiquei meio assustada. E pensei: 'Eu tenho que lembrar que eu estou em um lugar muito machista'. Há alguns limites", complementou. "O Bruno [Paes Manso, pesquisador] pode sentar para tomar cerveja numa pesquisa. Para eu fazer isso, é mais difícil, o cara já vai pensar outra coisa", disse.

Ao lado do jornalista Bruno Paes Manso, a pesquisadora lançou neste mês o livro "A Guerra --A ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil (Editora Todavia)". Juntos, eles explicam a nacionalização da principal facção criminosa do país e como ocorre a dinâmica atual do mercado de drogas no Brasil.

Fonte: UOL

Comentar

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    IMG 20170821 WA0024  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web