juarezjornalista

Preso por integrar milícia foi deportado dos EUA após se filiar ao Estado Islâmico, diz polícia

Um dos presos pela Polícia Civil de integrar de uma milícia que atua na Zona Oeste do município do Rio e na Baixada Fluminense, Diego Caldeira de Andrada Chaar, de 27 anos, foi deportado dos Estados Unidos após se filiar ao Estado Islâmico. A informação consta num relatório da corporação. Conhecido como Alcaida, em referência ao grupo fundamentalista a Al-Qaeda, ele havia sido detido em maio deste ano, na Rodovia Rio-Santos, por receptação e porte ilegal de arma. Um dos mandados de prisão desta quinta-feira foram cumpridos contra ele.

Alcaida é apontado como o responsável por realizar cobranças a comerciantes nas localidades Engenho, Coroa Grande, Vila Margarida, Reta, Ari Parreira e Tobogã, em Itaguaí, na Baixada. Ele é também, segundo a investigação, o responsável por fazer a segurança do grupo paramilitar em ações contra traficantes de drogas.

— Diego Chaar tinha a função de fazer extorsões aos empresários ramos de vendas de cesta básica, água e botijão de gás e serviços de internet e TV a cabo. Ele morou por 15 anos nos Estados Unidos com a mãe, que ainda mora lá. No período em que esteve nos EUA, Diego se vinculou ao Estado Islâmico. Quando chegou ao Brasil, após ser deportado, ele se vinculou à milícia — afirma o delegado Moyses Santana, da 50ª DP (Itaguaí).

Diego Chaar citava Alá em redes sociais

Ameaças em sinagoga

Em março de 2015, Diego foi preso em Miami Beach, na Flórida, sob a acusação de ameaçar membros de uma sinagoga. De acordo com relatos de testemunhas, ele teria dito que "cortaria suas cabeças". Ainda segundo depoimentos colhidos pela polícia local, ele teria gritado repetidas vezes a frase "Deus é grande", em árabe, em frente à congregação Ohev Shalom. Foram os gritos que motivaram a chamada da polícia, segundo a emissora "NBC Miami".

Os policiais chegaram, ouviram o brasileiro e o liberaram em seguida. No entanto, ele teria voltado ao local e continuado a gritar e fazer ameaças diante da sinagoga. Dessa vez Diego foi preso e acusado de agressão e perseguição.

Em sua defesa, Diego afirmou, em entrevista à NBC, que é adepto da religião islâmica e negou ter feito ameaças. Na versão dele, tratava-se de uma tentativa de converter os frequentadores da sinagoga. "Deus é grande e não há outro Deus senão Alá", afirmou ele à reportagem.

De acordo com o jornal "Local 10 News", o brasileiro relatou ter se convertido ao islamismo na prisão, enquanto cumpria pena de três anos por acusações envolvendo drogas.

Em uma conta nas redes sociais atribuída a Diego, ele publicou uma foto em dezembro de 2014 com a frase: "Alá é a razão pela qual, mesmo na dor, eu sorrio. Na confusão, eu compreendo. Na traição, eu confio. E, no medo, continuo a lutar".

Diego foi preso em Miami, em 2015Diego foi preso em Miami, em 2015 Foto: Reprodução

Bando tem militar do Exército, PM e ex-PM

Diego é um dos alvos da Operação Freedom (liberdade, em português) da Polícia Civil deflagrada na manhã desta quinta-feira para prender integrantes da milícia de Wellington Silva Braga, o Ecko. Até as 9h50, 24 pessoas haviam sido presas, entre elas o subtenente do Exército Marco Antônio Cosme Sacramento. Ele foi detido em casa, em Campo Grande, na Zona Oeste. Outros dois alvos da equipe são o ex-PM Carlos Eduardo Benevides Gomes, o Bené, e o sargento PM Antônio Carlos de Lima.

Os milicianos que agem a mando de Ecko atuam em várias frentes: extorsão, homicídios, adulteração de veículos, receptação, roubos, exploração de areais e até mesmo tráfico de drogas. O bando paramilitar cobra por "serviços" como sinal clandestino de TV a cabo, além de controlar a venda de botijões de gás, água mineral, cestas básicas e segurança.

Fonte: extra

Comentar

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    ricardo    EAD  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web