JORNALISTAMINI

Imagens exclusivas mostram menores atirando em PM que dublava Harry Potter

Fato ocorreu ontem dia (30/09)
 

As imagens foram gravadas na divisa entre os morros da Fazendinha e do Alemão, no Complexo do Alemão, na Penha, na Zona Norte do Rio. Percebe-se pelo menos dois jovens armados; Mesmo os que não estão armados, participam de um "rodízio de armas", podendo-se observar claramente em determinado momento o de camisa e bermuda preta pegando a arma do sem camisa e bermuda marrom e efetuando diversos disparos. Eles atiram a esmo e o projetil com certeza cai em algum lugar
No vídeo também mostra o momento em que o policial militar Caio César Ignácio Cardoso de Melo, de 27 anos, é socorrido por colegas, em meio a disparos, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. O policial, que era o dublador oficial do personagem Harry Potter no Brasil, morreu nesta quarta-feira em confronto na comunidade.

SOLUCIONADO COM EFICÁCIA BO ENVOLVENDO AGENTE PENITENCIARIO DE IPATINGA

Posted: 01 Oct 2015 08:04 PM PDT

 
Hoje 01/10 na cidade de Ipatinga, Agente Penitenciário foi preso por porte ilegal de armas por não portar a identidade funcional.
 
O agente foi abordado em uma blitz da PM e foi multado por haver irregularidades com sua moto, ao perceber que o agente estava armado, o SGT realizou a apreensão da arma e o agente foi conduzido até o Posto Policial do Bairro Vila Celeste por porte ilegal de arma e em seguida apresentado a DEPOL Centro.
 
Após contato com a corporação SUAPI da localidade de IPATINGA, compareceu no local o Tenente da PM o Sr. Adão, o Diretor Geral do CERESP de Ipatinga Sr. João Batista e o assessor de inteligência do CERESP.
 
Após tomarem ciência dos fatos os representantes da SUAPI solucionaram todos os fatos do Boletim de Ocorrência dando ao caso um desfecho adequado dentro das normas e respeito entre as corporações. 
A arma será entregue ao agente nesta sexta-feira 02/10 após perícia para comprovação do calibre.


20151001184220
 

Juíza é cercada e tem escolta agredida durante fiscalização no batalhão prisional da PM

Posted: 01 Oct 2015 04:34 PM PDT


Juíza foi cercada e teve escolta armada agredida dentro do BEP
A juíza da Vara de Execuções Penais (VEP) Daniela Barbosa Assumpção de Souza foi agredida na tarde desta quinta-feira durante fiscalização no Batalhão Especial Prisional (BEP), em Benfica, na Zona Norte do Rio. A magistrada teve a blusa rasgada e perdeu os óculos, além dos sapatos. Policiais militares que faziam a escolta de Daniela também foram agredidos. De acordo com as primeiras informações, os autores da agressão foram policiais militares acusados de integrar uma milícia. A juíza e os PMs foram socorridos por outros presos. Neste momento, homens do Batalhão de Choque e helicópteros estão no local. A confusão ocorre no setor E da unidade. Em um áudio obtido pelo EXTRA, um policial militar preso no BEP relata o que aconteceu com a juíza.


Ainda muito nervosa, a magistrada disse que a situação no local é tensa.
— Eles me cercaram e minha escolta me defendeu, mas estou com a blusa rasgada. Perdi meu sapato e meus óculos. Ainda estou muito nervosa. O clima ainda está muito tenso aqui. Não consigo nem falar sobre o que aconteceu — disse a magistrada ao EXTRA.



O Tribunal de Justiça (TJ) confirmou a agressão à juíza e afirmou, em nota, que irá tomar medidas cabíveis (leia a nota na íntegra abaixo). O juiz titular da VEP, Eduardo Oberg, classificou como inaceitável o que ocorreu com a juíza Daniela Assumpção.
— Isso é absurdo, inaceitável. Todos (os PMs) que forem identificados serão mandados para Bangu 1. E todos os identificados serão punidos — afirmou o juiz.
Já o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP) saiu em defesa dos PMs.
— Ela interpelou de forma mais ríspida um dos presos (que toma remédio controlado) e houve esse tumulto. A juíza se dirigiu de forma desrespeitosa a alguns policiais, chamando de vagabundos e milicianos. Vários juízes vêm aqui e tudo acontece na maior tranquilidade, mas quando ela vem acontece isso. Acabou sendo expulsa lá de dentro por policiais que se revoltaram. Não é justificável o que aconteceu, mas o judiciário precisa entender por que isso só acontece quando ela vem aqui — afirmou o deputado.
Presidente da Associação de Magistrados do Estado do Rio (Amaerj), o juiz Rossidélio Lopes rebateu as acusações de excessos por parte da juíza e ressaltou que o que precisa ser questionado agora é a existência do BEP.
— É injustificável colocar a culpa na juíza diante desse desrespeito. Isso seria colocar em xeque todo o Estado Democrático de Direito. Esses presos não têm noção de hierarquia e se acham acima da lei. Ela (a juíza Daniela) ficou acuada e seus seguranças chegaram a receber pauladas. Então ela foi para uma sala, mas, depois, com reforço policial, voltou e conseguiu fazer a inspeção com cabeça erguida. A Daniela nesse momento representou toda a magistratura brasileira. E a magistratura não pode se curvar — disse Rossidélio.
 


Uma advogada que representa presos do BEP afirmou que os PMs "tremem" quando a juíza chega ao local.
— A juíza entra aqui com total desrespeito. Eles tremem quando ela chega. Por isso, hoje tentaram expulsá-la. A visita que ela fez foi muito traumática da última vez (em agosto), por isso eles não quiseram a visita dela hoje — afirmou a advogada, que pediu para não ser identificada.
Foi Daniela quem, em agosto, após constatar irregularidades no BEP, suspendeu temporariamente as visitas de familiares aos presos, até que sejam criadas condições para a visitação fora das celas. Também foram proibidas visitas íntimas.
Em nota, a PM informou que houve um desentendimento entre a juíza e um preso. A situação está controlada, segundo a corporação.
Por meio do WhatsApp do EXTRA (21 99644-1263 ou 21 99809-9952), um leitor enviou uma foto que mostra a chegada do Batalhão de Choque ao local.



Vistoria pôs fim a churrasco
Em agosto deste ano, durante uma vistoria da Vara de Execuções Penais coordenada por Daniela no batalhão prisional, foram encontrados geladeiras, televisões, micro-ondas, videogames, forno de pizza, celular, dinheiro, engradados de refrigerante, churrasqueira, e até uma bateria profissional na unidade. A vistoria flagrou ainda quartos escondidos atrás de compensados, que eram usados pelos presos, e um churrasco dentro do Batalhão. As carnes do evento estavam dentro da Igreja Evangélica da unidade.
Durante a inspeção, foi constatado ainda que as celas foram transformadas em quartos decorados, algumas com camas de casal. Na ocasião, sete PMs foram encaminhados para a Corregedoria da Polícia Militar para prestar esclarecimentos. A juíza da VEP Daniela Barbosa Assumpção de Souza, responsável pela fiscalização do sistema prisional do Estado, determinou a retirada dos eletrodomésticos. Após as denúncias, o diretor do BEP, tenente-coronel Alexandre do Amaral Lourenço foi exonerado. Em seu lugar, assumiu o tenente-coronel Murilo Sérgio de Miranda Angelotti.
A juíza fixou ainda prazo de em 30 dias para realização de obras de reformas nas instalações do BEP para regularizar as celas. Em dezembro de 2012, após as denúncias do EXTRA, o então juiz titular da VEP, Carlos Augusto Borges, já havia determinado que fossem feitas obras na unidade.
Nota do TJ na íntegra:
Sobre a inspeção feita pela juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza, da Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, a assessoria de imprensa esclarece:
- A magistrada foi verificar, na tarde desta quarta-feira, dia 1º, as condições do Batalhão Especial Prisional (BEP), quando detentos impediram que ela fizesse a revista em uma das galerias.
- Os detentos chegaram a agredir a magistrada, que teve a blusa rasgada. A juíza foi obrigada a deixar o local e retornou com a segurança do TJRJ e homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope).
- O juiz titular da VEP, Eduardo Oberg, está neste momento junto com a magistrada no local. O próximo passo será identificar quem foram os agressores e determinar a transferência deles para o Complexo Penitenciário de Bangu 1.
- O Tribunal de Justiça está apurando todos os detalhes do ocorrido e irá tomar todas as providências cabíveis.

Whatsapp

POLIZIA PENITENZIARIA ITALIANA

Posted: 01 Oct 2015 04:06 PM PDT

NIC - operazione anticamorra: arresti clan dei Casalesi 
1 ottobre 2015 -
 
 
Investigatory Central shirt tem executado, nas primeiras horas desta manhã, uma complexa operação que, em conjunto com a polícia estadual de caserta e aos carabinieri da ros, levou à captura, para os Crimes de bando de tipo mafioso, cumplicidade, receptação e concurso externo em corrupção do gesualda anónimo e Filipe Capaldo, irmã e sobrinho do chefe do clã dos casalesi Michele Anónimo, de Carmine Domenico Nocera, um arquiteto que se considera ter Projetado um bunker de nova geração para permitir o apagamento de Michele Anónimo e de Francesco Nobis. As investigações foram coordenadas pela direcção distrital antimáfia de Nápoles.
 
TRADUÇÃO AUTOMÁTICA DO ITALIANO PARA O PORTUGUÊS

Coletiva 19ª Fase da Operação Lava Jato

 

PF deflagra a 19ª fase da Operação Lava­Jato “Nessun Dorma”

Curitiba/PR – A Polícia Federal deflagrou nesta manhã, 21/09, a 19ª Fase da Operação Lava Jato, intitulada NESSUN DORMA.

Trinta e cinco Policiais Federais cumprem 11 mandados judiciais, sendo sete mandados  de  busca  e  apreensão,  um  mandado  de  prisão  preventiva,  um mandado de prisão temporária e dois mandados de condução coercitiva, nas seguintes cidades: Florianópolis, São Paulo e Rio de Janeiro.

Os trabalhos decorrem do avanço das investigações nas fases 15, 16 e 17 da Operação Lava Jato.

Em  um  dos  focos  têm­se  a  continuidade  da  investigação  em  face  de denunciado na 15ª Fase – Conexão Mônaco e de empreiteiras já investigadas na  Operação  Lava  Jato.  Apura­se  que  pessoas  tenham  intermediado pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos e políticos no exterior, em  decorrência  de  contratos  celebrados  na  Diretoria  Internacional  da Petrobrás.

Foi verificado que uma das empresas sediadas no Brasil recebeu cerca de 20 milhões  de  reais,  entre  2007  e  2013,  de  empreiteiras  já  investigadas  na operação  sob  a  acusação  de  pagamento  de  propinas  para  obtenção  de favorecimento em contratos com a estatal. 

Em outro foco, cumprem­se mandados de busca e de prisão preventiva de executivo  relacionado  à  16ª  fase  –  Operação  Radioatividade  e  17ª  fase  – Operação  Pixuleco,  a  partir  dos  elementos  que  o  apontam  como  tendo 

realizado  pagamentos  de  vantagens  indevidas  a  agentes  públicos  já investigados nessas fases.

Os  presos  serão  trazidos  para  a  Superintendência  da  Polícia  Federal  em 

Curitiba/PR onde permanecerão à disposição do juízo da 13ª Vara da Justiça Federal.

Será concedida entrevista coletiva às 10h00 no auditório da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, situada na Rua Sandália Monzon, 210, Santa Cândida ­ PR.

Comunicação Social da Polícia Federal no Paraná

Curitiba­PR, 21 de setembro de 2015

Telefone: (41) 3251­7809

 

PF DEFLAGRA OPERAÇÃO DUNAMIS

pfCuritiba-PR – A Polícia Federal deflagrou nesta manhã, 25/09, a Operação Dunamis, com o objetivo de desarticular organização criminosa especializada na prática de roubo e furto a caixas eletrônicos de instituições bancárias no estado do Paraná, através do uso de explosivos

A operação mobilizou para a deflagração cerca de 140 Policiais federais, 26 Policiais Rodoviários Federais, e contou com o apoio de duas aeronaves da PRF, cães farejadores e o Grupo de Bombas e Explosivos da PF (GBE). Os policiais atuaram no cumprimento de 17 Mandados de Prisão Preventiva, 30 Mandados de Busca e Apreensão, 7 Mandados de Condução Coercitiva.

As investigações que acompanharam o grupo desde o ano passado mostram que as ações ocorreram em Curitiba, Londrina, Matinhos e Piên, mas os suspeitos também podem ter participação em diversos assaltos semelhantes em outras localidades. Os ataques realizados pela organização, sediada em São José dos Pinhais, incluem explosões a caixas eletrônicos instalados em agências bancárias, hospitais, supermercados e em uma Universidade.

Os envolvidos responderão pelos crimes de organização criminosa armada, roubo qualificado, furto qualificado, receptação e lavagem de dinheiro.

Será concedida entrevista coletiva às 10:00h no auditório da Superintendência Regional da Polícia Federal, situada na R. Sandália Monzon, nº 210 – Santa Cândida, Curitiba/PR. Trazer pendrive para o compartilhamento de imagens.

Comunicação Social da Polícia Federal no Paraná

(41) 3251-7809

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Com ajuda de câmeras, PRF apreende 2,1 toneladas de maconha em fundo falso de caminhão

apreensaoA Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 2.112 quilos de maconha nesta quarta-feira (16) em Cascavel, região oeste do Paraná. A droga era transportada em um fundo falso de um caminhão frigorífico Iveco Tector, abordado na BR 277. O motorista, de 35 anos de idade, foi preso em flagrante por tráfico de drogas.

Os policiais rodoviários federais abordaram o caminhão porque detinham a informação de que câmeras de videomonitoramento haviam registrado imagens suspeitas do veículo.
Minutos antes, quando passava por uma praça de pedágio na mesma BR 277, o motorista teve que parar o veículo para recolher do chão alguns tabletes. Uma das travas elétricas do compartimento preparado para o transporte ilegal havia se aberto com o caminhão em movimento.

Nas imagens, é possível ver o motorista juntando alguns tabletes. Ele acabou por deixar para trás um tablete que caiu ao lado da cabine. A droga foi recolhida por outra equipe da PRF.
O homem pretendia levar a maconha até Maringá (PR). A PRF encaminhou a droga apreendida, o preso e o veículo para a Delegacia da Polícia Federal em Cascavel. A pena para o crime de tráfico de drogas varia de 5 a 15 anos de reclusão.

Esta é a terceira maior apreensão de maconha realizada pela PRF este ano no Paraná. A maior ocorreu na BR 376 em Tijucas do Sul, região metropolitana de Curitiba, no dia 26 de agosto, quando 3,5 toneladas da droga foram apreendidas em uma van com adesivos da Receita Federal.
A segunda maior foi registrada em maio, quando 2,37 toneladas de maconha foram apreendidas também em Cascavel.
Desde o final de 2014, a PRF utiliza imagens de câmeras de concessionárias para monitorar rodovias em diferentes regiões do Paraná.

As imagens dos sistemas de videomonitoramento auxiliam os policiais rodoviários federais em ações de fiscalização de trânsito, atendimento de acidentes e combate a crimes.

Veja o vídeo do momento em que a droga cai do caminhão na praça de pedágio:

Fonte: http://www.bemparana.com.br/plantao190

DESABAFO DE UM AGENTE PENITENCIÁRIO DE JUIZ DE FORA

AS INJUSTIÇAS DO BRASIL

Mais artigos...

Impakto nas Redes Sociais

                                   

 

blogimpakto.        sicride      CONTASABERTAS       horasc    acervo        kennya6    IMG 20170821 WA0024  codigoeticajor    jornalismoinvestigativo

Desenvolvido por: ClauBarros Web